ABAS

terça-feira, 8 de novembro de 2016

MAMATA - Institucionalizado, privilégio da Força Aérea Brasileira vira religião

Divulgação

Assim como um ateu é um crente que ainda não recebeu um diagnóstico de doença terminal, um opositor dos privilégios é apenas um aproveitador despudorado que ainda não entrou num jatinho da Força Aérea Brasileira.

Em 2013, ainda sob Dilma Rousseff, a FAB, com pouca força e cada vez mais brasileira, revelou-se uma espécie de Casa da Mãe Joana com asas. Na oposição, o PSDB tomou as dores do contribuinte.

Sob Michel Temer, até tucano se comporta como se tivesse nascido com asas da FAB grudadas no dorso. Em cinco meses da gestão Temer, os ministros requisitaram 781 voos da FAB. O Estadão revela que essas requisições ferem as normas em pelo menos 238 casos.

O campeão em milhagem no programa Bolsa FAB é o ministro Alexandre Moraes (Justiça), egresso do secretariado do governador tucano de São Paulo Geraldo Alckmin. O vice-campeão é o ministro José Serra (Relações Exteriores), um grão-tucano de fina plumagem.

Na farra de 2013, o senador Aloysio Nunes Ferreira (SP), então líder do PSDB no Senado, apresentou um requerimento exigindo informações à Força Aérea. Hoje, o tucano Aloysio é líder do governo Temer na Câmara Alta. Está em silêncio. Para o governo, tudo está normal.

Dono da chave do cofre, o ministro Henrique Meirelles (Fazenda) também integra o ranking de autoridades que retiram jatos da FAB para viagens que têm como destino ou origem a cidade onde mantém domicílio. A lista inclui também ministros como Gilberto Kassab (Comunicações) e os palacianos Eliseu Padilha (Casa Civil) e Geddel Vieira Lima (Secretaria de Governo).

A FAB se recusa a informar quanto gasta no custeio da fuzarca aérea. Alega-se que ''o custo da hora de voo das aeronaves militares é informação estratégica e, por isso, protegida''. Heimmm?!?!?

Tudo é protegido em Brasília. Só o bolso do contribuinte não dispõe de blindagem. Uma vez que o privilégio é institucionalizado, a desfaçatez vira religião. Do contribuinte, espera-se que pague os impostos em dia, diga ‘amém’ e não chateie.

Nenhum comentário: