ABAS

sábado, 19 de dezembro de 2015

Lava Jato: À Polícia Federal, Lula defende Vaccari e cita amizade com Bumlai

Resultado de imagem para lula e vaccari
Em depoimento à Polícia Federal, o ex­presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou que a investigação de integrantes de seu governo na Lava Jato faz parte de um "processo de criminalização do PT" e admite relação de "amizade" com o pecuarista José Carlos Bumlai, um dos presos da operação.

O petista ainda defendeu o ex­tesoureiro do PT João Vaccari Neto, condenado por operar propinas para o partido, além de indicar que cabia ao ex­ministro José Dirceu (Casa Civil), preso no mensalão e no petrolão, concentrar discussões de indicações políticas de seu governo.

O ex­presidente falou aos investigadores, na condição de informante, em um inquérito no STF (Supremo Tribunal Federal) que investiga se houve organização criminosa atuando na Petrobras. 

Para o ex­presidente, as investigações da Lava Jato envolvendo pessoas de seu governo são motivadas por três fatores: processo de transparência e aprimoramento dos órgãos de fiscalização e controle durante os governos do PT; imprensa livre; e a "um processo de criminalização do PT". Lula disse ainda que "não existe até o momento qualquer conclusão final deste apuratório".

Ele disse que não tinha conhecimento de atos de corrupção na Petrobras, que isso não foi identificado por órgãos de controle e que não acredita que políticos de partidos aliados tenham recebido propina da Petrobras. 

AMIZADE

 Lula admitiu que hospedou Bumlai na residência oficial da Granja do Torto, uma espécie de casa de campo da Presidência em Brasília, mas não soube precisar quantas vezes. 

O ex­presidente, no entanto, negou que tenha tratado com o amigo de qualquer negociação irregular ou questões financeiras. 

Salim Schahin, um dos donos do Banco Schahin, afirmou em acordo de delação premiada que o empréstimo de R$ 12 milhões, feito em 2004, pelo PT nunca foi pago. 

Em troca do perdão da dívida, segundo ele, a Petrobras deu a uma empresa do grupo Schahin um contrato de R$ 1,6 bilhão. Bumlai, que tomou o valor emprestado, confirmou a fraude e afirmou em uma confissão que os R$ 12 milhões foram para o caixa dois do PT. Ele fez a confissão em busca de uma pena menor.

 Lula contou que conheceu Bumlai em 2002, durante a gravação de um programa eleitoral na fazenda do pecuarista, e que indicou Bumlai para integrar o Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social do governo, órgão também formado por empresários. 

O ex­presidente disse ainda que seus filhos e noras podem ter relação com Bumlai, mas que nenhum pediu valores ao pecuarista. Lula não soube apontar os nomes de suas noras aos investigadores. "Não declina os nomes completos das noras em razão de não recordá­los no momento", diz o relatório da PF. 

VACCARI

 Em seu depoimento de nove páginas, Lula também disse que tinha relação de amizade com Vaccari, que foi condenado pelo juiz Sérgio Moro na Lava Jato, e que recebeu informações de quee o correligionário tinha uma "excelente" atuação na tesouraria do PT. 

"Que todos os membros da Direção do partido, inclusive seu presidente, Rui Falcão, declararam a qualidade do trabalho desempenha por Vaccari no comando da tesouraria do PT", disse, segundo a PF. E completou: "Que não crê na afirmação de Paulo Roberto de que 2% do valor dos contratos celebrados na Diretoria de Abastecimento da Petrobras".

Lula disse que não acredita que Ricardo Pessoa, dono da UTC, tenha pagado propina a Vaccari e que José de Felippe Junior, ex­tesoureiro de sua campanha, tenha pedido doação não oficial R$ 2,4 milhões. 

O petista afirmou que Pessoa pode ter feito as acusações para conseguir fechar um acordo de delação premiada e conquistar benefícios como a redução de pena.

 PETROBRAS 

O ex­presidente disse que não participava do processo de escolha de dirigentes da Petrobras, sendo que os nomes eram levados pelos partidos ao ex­ministro José Dirceu, que discutia as indicações com outros coordenadores políticos. Segundo Lula "cabia à Casa Civil receber as indicações partidárias e escolher a pessoa que seria nomeada". 

Lula negou que tenha avalizado a indicação de Renato Duque, ex­diretor de Serviços da Petrobras, outro condenado no esquema de corrupção, mas diz que o nome pode ter tido aval do PT. Ele negou conhecer Pedro Barusco, exgerente da estatal. 

Para o petista, o ex­diretor da Petrobras e delator Nestor Cerveró e seu sucessor na área Internacional, Jorge Zelada, eram indicações do PMDB. 

Lula frisou que Zelada foi uma "reivindicação" do PMDB. 

O senador Delcídio do Amaral (PT­MS), preso por tentar atrapalhar as investigações do esquema, disse, em depoimento, que o vice­presidente Michel Temer "tem preocupação" com Zelada. 

FOLHA DE SP

Nenhum comentário: