ABAS

sábado, 31 de outubro de 2015

Passar tempo com pessoas da terceira idade pode ajudar a prevenir a depressão

Uma pesquisa realizada em 2006, pelos Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos, revelou que cerca de 8 por cento dos adultos, com 50 anos ou mais, estavam deprimidos. 



(Foto: Getty Images) 

De acordo com um estudo realizado nos Estados Unidos, reunir-se com frequência com filhos, netos e amigos, pode ajudar a prevenir a depressão em idosos, de maneira muito mais eficaz do que simplesmente falando com eles ao telefone, ou mantendo contato por escrito.

“A principal conclusão do estudo foi que encontrar-se face a face com os amigos e a família, atua como uma forte medicina preventiva; e quanto maior for a frequência desses encontros, menor será o risco de desenvolver depressão,” disse o Dr. Alan Teo, o psiquiatra da Oregon Health & Science University em Portland, que liderou a pesquisa.

O contato por telefone é eficaz contra a depressão em apenas uma circunstância — quando o indivíduo já foi diagnosticado com ela, salientam Teo e sua equipe, em um artigo publicado no Journal of the American Geriatrics Society.

Teo também disse ao Reuters Health que e-mails e outros contatos por escrito não demonstraram benefícios conclusivos.

Uma pesquisa realizada em 2006, pelos Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos, revelou que cerca de 8 por cento dos adultos, com 50 anos ou mais, estavam deprimidos, e 16 por cento dos entrevistados já havia passado por algum episódio de depressão em sua vida.

Os autores de pesquisas anteriores afirmam que a falta de contato social com a família e os amigos, pode fazer com que as pessoas idosas se sintam isoladas, solitárias e fiquem mais propensas à depressão. Mas boa parte dessa investigação incluiu diferentes modos de contato.

Teo disse que seu próprio contato face a face com o pai, que tem 70 anos, em vez de sua habitual troca de mensagens de texto e interações pelo Facebook, estimulou o seu interesse pelo estudo.

“Eu pensei nas vezes em que nos reunimos pessoalmente e percebi o quanto isso é benéfico,” disse Teo, que também é pesquisador e médico do Veterans Administration Portland Health Care System.

Entre os anos de 2004 e 2010, os 11.065 adultos que participaram do estudo — todos com idades entre 50 e 70 anos — foram avaliados duas vezes. Os pesquisadores perguntaram sobre os seus contatos sociais, conflitos interpessoais, sua capacidade de concluir suas atividades diárias e sintomas depressivos, tais como a perda de apetite, capacidade de não ceder à tristeza e problemas de concentração.

Quando foi feita a primeira enquete, e uma segunda, dois anos depois, cerca de 13 por cento dos participantes afirmaram que tiveram sintomas depressivos significativos.

Após analisar cada caso, baseando-se em aspectos como: idade; situação financeira; capacidade de completar tarefas cotidianas; tamanho de sua residência; apoio social e conflitos interpessoais, aqueles que se encontravam com os filhos, familiares ou com amigos, pelo menos uma vez a cada poucos meses, tinham 11 por cento de chances de desenvolver sintomas depressivos dois anos mais tarde, comparados com o risco de 8 por cento apresentado entre aqueles que estabeleciam contatos com familiares e amigos, uma ou duas vezes por mês. Aqueles que tinham contato três ou mais vezes por semana, tinham apenas 6 por cento de risco.

As pessoas que se reuniam com os amigos, uma ou duas vezes por semana, também tinham uma probabilidade muito menor de desenvolver depressão, do que aquelas que tinham contato poucas vezes por mês.

Para as pessoas com idade igual ou superior a 70 anos, o contato com as crianças provou ser muito mais eficaz contra a depressão. Ao passo que as pessoas com idades entre 50 e 69 anos se beneficiaram mais em ver os amigos.

Mas quando surgiam conflitos durante o contato e relacionamento interpessoal com os filhos, o risco da aparição de sintomas depressivos também aumentava.

“Os detalhes do isolamento opressor não têm sido explorados nesse sentido,” disse o Dr. Robert Abrams, psiquiatra do Weill Cornell Medicine e do New York-Presbyterian Hospital. “Todos nós sabemos que o isolamento não é bom, mas (saber) exatamente que tipo de contato, com quem, e qual é o modo mais útil, seria de grande ajuda; pelo menos no tocante à prestação de serviços de saúde pública,” disse Abrams, que não esteve envolvido no estudo.

O Dr. Robert Shulman, copresidente da ala de psiquiatria do Rush University Medical Center, de Chicago, disse que os resultados demonstraram a importância da interação humana com a família ou amigos, e que o “telefone e outros meios, simplesmente não deveriam substituí-la.”

Shulman, que também não participou do estudo, geralmente pergunta aos pacientes mais velhos com que frequência eles veem seus filhos, ou se eles apenas conversam ao telefone.

“Às vezes, você pode até ver a tristeza refletida em seus rostos quando eles se sentem esquecidos pela família,” disse Shulman. “Devemos sempre estimular as famílias a visitar os pacientes e incentivar esse tipo de relacionamentos.”

Reunir-se com colegas de profissão (como amigos solidários) também pode ajudar prevenir a depressão em adultos mais idosos, afirmou Teo. “Eu creio que vale a pena que os mais jovens acatem a sugestão de fazer um esforço real para passar mais tempo com os idosos,” acrescentou ele.

Não há dúvida de que ambas as partes se beneficiarão com esse contato.


sexta-feira, 30 de outubro de 2015

MPCE e MPF emitem recomendação sobre fiscalização do uso indevido de veículos de transporte escolar

MPEDUC2710.jpg
A coordenadora do projeto MPEduc pelo Ministério Público do Estado do Ceará, promotora de Justiça Socorro Brito Guimarães, e a coordenadora do projeto MPEduc pelo Ministério Público Federal, procuradora da República Nilce Cunha Rodrigues, assinam a recomendação enviada ao Batalhão de Policiamento Rodoviário Estadual e à Polícia Rodoviária Federal para que intensifiquem as fiscalizações para reprimir a utilização indevida de veículos destinados exclusivamente ao transporte escolar, sobretudo para transporte de pessoas estranhas à comunidade escolar.
        Na reunião do projeto Ministério Público pela Educação (MPEduc), realizada na manhã desta terça-feira (27), as coordenadoras ouviram relatos sobre uso indevido de transporte escolar. Em um caso, o veículo comprado com verba do Ministério da Educação havia sido pintado de branco e estava sendo usado pela secretaria de saúde do município de Aratuba. Em outro relato, o flagrante do uso de ônibus do tranporte escolar para o frete de fiéis para a romaria de finados em Juazeiro do Norte.
        Diante dos relatos, a necessidade da recomendação das coordenadoras do MPEduc. "Essa recomendação é um reforço para quem vai lá para a ponta fiscalizar. Eles saberão que, além da obrigação de fazer, ainda tem uma recomenção do Ministério Público que tem que ser observada", explica a procuradora da República Nilce Cunha Rodrigues. "É preciso intensificar a fiscalização veicular para garantir a excelência na prestação desse serviço. Usar o veículo exclusivamente para o transporte escolar é garantir segurança e qualidade para nossas crianças", complementou a promotora de Justiça Socorro Brito.
        Participaram do encontro do MPEduc o coordenador da Procuradoria dos Crimes contra a Administração Pública (PROCAP), procurador de Justiça Maurício Carneiro; o promotor de Justiça José Aurélio da Silva; Roberto Vieira Medeiros, chefe da Controladoria Geral da União no Ceará; Telma Maria Escóssia Melo, diretora de Fiscalização do TCM; Rubens Cezar Parente Nogueira, do TCE; Pedro de Alcântara Forte, gerente do DETRAN; José Robson Moraes, representando a PRE; e Derickson Figueiredo, representando a PRF.
        Além da recomendação, as coordenadoras do MPEduc anunciaram a elaboração de um questionário, a ser enviado a todos os promotores de Justiça das comarcas do Interior. O questionário está em fase de elaboração, terá a contribuição de todos os órgãos que participaram da reunião e em breve será enviado, com o objetivo de se elaborar um perfil do uso de transporte escolar em todo o Estado.

MP-CE

Grande companheiro Lula, homem de grande integridade e decência, sempre com suas estratégias republicanas...

Diário do Nordeste...

quinta-feira, 29 de outubro de 2015

Passagem de ônibus em Fortaleza custará R$ 2,75 a partir de 7 de novembro; o reajuste é de 14,58%, superior ao último ajuste de janeiro.


Reprodução...

A partir do dia 7 de novembro, o novo valor datarifa de ônibus passa a ser de R$ 2,75, anunciaram a Empresa de Transporte Urbano de Fortaleza (Etufor) e Secretaria de Conservação e Serviços Públicos (SCSP), em coletiva na tarde desta quinta-feira, 29. O reajuste foi de 14,58%.

tarifa estudantil sofreu reajuste de 8,3% e sobe de R$ 1,20 para R$ 1,30. Conforme a Etufor, com a medida, os estudantes passarão a pagar 47% do valor da tarifa inteira.

A Etufor defende que o reajuste foi menor que a proposta de Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Ceará (Sindiônibus), que elevaria a passagem para R$ 2,90.

A alta do dólar, insumos de transporte, como óleo diesel (12,03%), pneus e rodagem (14,84%); peças e acessórios (13,51%) e reajuste de piso salarial dos trabalhadores em transporte coletivo (10,03%) foram apontados como os principais fatores que provocaram os novos valores.  

Confira como ficam as tarifas:
Tarifa inteira: de R$ 2,40 para R$ 2,75
Tarifa estudantil: de R$ 1,20 para R$ 1,30
Hora social (inteira): de R$ 2,20 para R$ 2,55
Hora social (estudantil): de R$ 1,10 para R$ 1,20
Tarifa social (inteira): de R$ 1,80 para R$ 2,15
Tarifa social (estudantil): de R$ 0,90 para R$ 1,00
Linha central (inteira): permanece R$ 0,40 
Linha central (estudantil): permanece R$ 0,20

Em setembro, o presidente do Sindiônibus, Dimas Barreira, informou ao O POVO Online que o cálculo da tarifa seria discutido em novembro. Na época, ele citou o aumento do preço o óleo diesel, o que influenciaria no valor da tarifa de ônibus.

O último reajuste foi no dia 16 de janeiro, estabelecido em 9,09%, quando a passagem de ônibus passou de R$ 2,20 para R$ 2,40

Redação O POVO Online 
com informações do repórter Andreh Jonathas

E nas capas e páginas dos jornais, o Estado do Ceará totalmente tomado por facínoras, do colarinho branco ou não...

A capa de hoje do O Estado.

quarta-feira, 28 de outubro de 2015

Um ano após reeleição, 8 em cada 10 brasileiros desaprovam desempenho de Dilma

Um ano após a reeleição, 80,7% dos brasileiros desaprovam o desempenho pessoal da presidente Dilma Rousseff,  aponta a pesquisa do Instituto MDA divulgada nesta terça-feira. O levantamento, encomendado pela Confederação Nacional dos Transportes (CNT), registra que 70% rejeitam o governo da petista, enquanto a avaliação positiva é de apenas 8,8%. 
A aprovação do desempenho pessoal de Dilma é de apenas 15,9% entre as 2.002 pessoas ouvidas em 24 unidades da federação, entre 20 e 24 de outubro. Ontem completou um ano do segundo turno da eleição presidencial de 2014, quando a petista foi reeleita com 51,6% dos votos.
A pesquisa também mediu a expectativa da população para o país nos próximos seis meses. Em meio a crise econômica, 55% acreditam que a oferta de emprego vai piorar, enquanto 28,8% esperam que o cenário ficará igual. Sobre a saúde, 48% disseram que vai piorar, enquanto 49,8% também se mostraram pessimistas quando questionados sobre a segurança pública.
O levantamento revelou também que 52,6% da população têm acompanhado ou ouviram falar da rejeição das contas do governo federal pelo Tribunal de Contas da União (TCU), enquanto 61,3% desses consideram que o parecer é motivo para um impeachment contra a presidente. Entre esses entrevistados, 56,1% acreditam que o Congresso reprovará as contas de 2014 do governo Dilma.
O Instituto MDA realizou a pesquisa em 136 municípios das cinco regiões. A margem de erro é de 2,2 pontos percentuais com 95% de nível de confiança.

PSB NACIONAL

terça-feira, 27 de outubro de 2015

Debate Já! O debate é uma das grandes ferramentas de controle da sociedade...


Cinco candidaturas à presidência da OAB-CEdforam confirmadas pela Comissão Eleitoral da seccional da OAB-CEd. As chapas inscritas serão encabeçadas por Edson Santana (A OAB é de todos nós), Marcelo Mota (Todos pela ordem), Julio Ponte (OAB de verdade), Guilherme Rodrigues (OAB é pra lutar) e Colares Filho (OAB com você juntos). 

A truculência e a prepotência de um aprendiz de déspota foram derrotadas pela pressão popular..



Reprodução - G1

Prefeitos lançam “Carta do Ceará” para garantir recursos

Com o objetivo de amenizar os impactos da crise financeira nos municípios e mobilizar a classe política cearense, a Associação dos Municípios do Estado do Ceará (Aprece), lançou, ontem, na Assembleia Legislativa, a Carta do Ceará, documento idealizado a partir de reunião de prefeitos cearenses com o coordenador da bancada federal do Ceará, deputado José Airton (PT/CE) e demais representantes do parlamento federal e estadual cearense. O documento pretende nortear os pontos prioritários a serem trabalhados pelos parlamentares em suas atuações no Congresso Nacional.
De acordo com o presidente da Aprece, Expedito José do Nascimento, a carta é composta por 11 tópicos entendidos como prioritários pela Aprece. Nele contém o Pacto Federativo PEC 172/2012; o retorno da CPMF; os royalties do petróleo; a emenda constitucional nº 84/2014, referente ao Fundo de Participação dos Municípios (FPM); a atualização do Piso Salarial do Magistério Público da Educação Básica; a implantação do Piso Nacional dos Agentes Comunitários de Saúde e Agentes de Combate às Endemias; dentre outros pontos. Após solenidade na Assembleia, alguns preitos foram ao Palácio da Abolição entregar a Carta ao governador Camilo Santana.
“Diante dessas reivindicações prioritárias, a Aprece solicita que os parlamentares cearenses assumam o compromisso com a pauta legislativa dos municípios para evoluirmos ainda mais com as conquistas do movimento municipalista, amenizando os efeitos trágicos da presente crise financeira”, frisa Expedito Nascimento.
O primeiro vice-presidente da Assembleia, deputado Tin Gomes (PHS), salientou que, diante do cenário de instabilidade financeira no País, é necessário a união de forças políticas para trabalhar a pauta em Brasília. Na ocasião, Tin representou o presidente da Casa, deputado Zezinho Albuquerque (Pros) e garantiu o apoio do Parlamento Cearense às reivindicações da entidade. “Conclamo toda a bancada federal nesta jornada com o intuito de somar forças para alcançar estes objetivos almejados, que não são poucos, e que só vão acontecer se tivermos um movimento forte com todos os parlamentares cearenses envolvidos”, salientou.
Na mesma linha, o primeiro secretário da Assembleia, deputado Sérgio Aguiar (Pros), que tem acompanhado as reuniões da Aprece,  afirmou que “a Casa também encampa a luta e cobra para que este movimento ganhe mais força a cada dia, por entender que quem entende mais as dificuldades que passam os municípios são os seus gestores”.

Em queda
Na última semana, o deputado Sérgio Aguiar (Pros) destacou em discurso na Assembleia, a queda de 15,56% nos repasses do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) para o mês de outubro, em comparação com o ano passado. Segundo o parlamentar, a maioria dos municípios do Estado não conseguirá pagar o mês de dezembro e o 13° salário aos servidores.
“Os municípios não suportam a situação, tendo ainda que bancar o custeio da Saúde e da Educação. O PFM está em queda, desde junho deste ano. Há previsão de perca de mais de R$ 3 bilhões e quase R$ 6 bilhões de programas ligados a Educação do Brasil, então com isso, os municípios estão com dificuldade de pagar suas folhas de pagamento e cumpri suas obrigações”, reflete o prefeito de Aracoiaba e presidente da Associação dos Municípios do Maciço de Baturité, Antônio Cláudio. De acordo com o gestor, entre os problemas mais graves, os municípios não têm mais recursos para pagar o 13° de seus servidores. “Estamos fazendo ajustes, cortando gastos, cortando servidores e cargos comissionados”, pontuou.
Estiveram presentes ainda ao encontro os deputados estaduais Manoel Duca (Pros), Carlos Felipe (PCdoB), Augusta Brito (PCdoB) e Júlio César Filho (PTN); o deputado federal Chico Lopes (PCdoB); o secretário de Relações Institucionais do Governo do Estado, Nelson Martins; dentre outras autoridades.

Reservas hídricas. Preocupação com consumo de irrigação e ano eleitoral

“Com as mudanças climáticas, a perspectiva é que secas como essa no Ceará, que vem desde 2012, se tornem cada vez mais frequentes”, alerta Alexandre Costa, professor da disciplina Mudanças Climáticas e Modelagem Atmosférica, do Mestrado em Ciências Físicas Aplicadas da Universidade Estadual do Ceará (Uece). 

Ele defende que a repercussão em 2016 de um El Niño atual já muito avançado, com índices atuais preocupantes, devem servir para repensar a prática de irrigação no Estado. Os irrigantes, segundo Alexandre, consomem quase 60% da reserva hídrica do Estado.
 

Para o consultor em recursos hídricos e ex-secretário da área no Ceará, Hypérides Macêdo, “a irrigação realmente precisa ser monitorada fortemente, porque o consumo humano é até mais fácil de resolver” - aponta. Hypérides diz que medidas como escavação de poços profundos, dessalinização ou pipas podem socorrer a população “mas a irrigação tem um peso político e econômico muito forte. Há uma pressão muito pesada de políticos e de produtores”. E, admite o ex-secretário, que participou de decisões governamentais à época da gestão Tasso Jereissati, “2016 é um ano eleitoral e isso vai inibir fortemente o governo. É uma questão muito difícil”. 

O presidente da Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos (Cogerh), João Lúcio Farias, diz que as medidas tomadas para equacionar o momento de seca no Ceará não seguem critérios políticos, como pontuado por Hypérides Macêdo. “A gente trata a questão de forma muito técnica, procurando fazer a gestão de forma mais eficiente possível. A orientação é de que a água é uma questão estratégica para o Estado”. A Cogerh é a gestora da chamada água bruta, outorgada para consumidores industriais e irrigantes. 


Farias diz que a possibilidade de acionamento do açude Orós para reforçar o volume do Castanhão ainda não pode ser confirmada. “Teremos que ver a pré-estação (dezembro/janeiro), ver qual a recarga que haverá no Castanhão, na Região Metropolitana. Mesmo na seca chove. Apesar de ser abaixo da média, chove, então temos que esperar. Claro que fazendo um forte controle”.
 

A vazão no fornecimento de água do Castanhão para abastecer Fortaleza já sofreu redução de 12 mil para 11 mil litros/segundo. “Também foi reduzida em 50% a vazão de irrigação para atividades sazonais no Vale do Jaguaribe, como a carcinicultura, plantações de arroz, cana, capim. É fundamental fazer agora o controle de oferta e de demanda”, afirma o presidente da Cogerh.
 

Na última sexta-feira, a Companhia de Água e Esgotos do Ceará (Cagece) anunciou uma tarifa de contingência: o usuário que não reduzir em 10% o seu consumo anual poderá ser sobretaxado em até 120% em sua conta regular. A medida deve ser adotada a partir de dezembro. (Cláudio Ribeiro)
O POVO

segunda-feira, 26 de outubro de 2015

Filtro brasileiro de barro é o melhor do mundo

Sabe aquele filtro marrom de água que a sua avó com certeza tem ou já teve? Pois é, de acordo com uma pesquisa divulgada recentemente, ele é o mais eficiente do mundo. Surpreso? Pois então vamos aos fatos: pesquisadores americanos concluíram que o filtro feito de barro é o melhor quando o assunto é retenção de cloro, pesticidas, ferro, alumínio e chumbo.

Para quem nem sabia que tudo isso poderia ser encontrado na água, eis outra surpresa: a água pode conter Criptosporidiose, um parasita que causa alguns incômodos como diarreia e gastrenterites. De qualquer forma, não há motivo para pânico, pois o filtro de barro é capaz de eliminar 99% desses parasitas.





Tudo isso foi concluído por um simples diferencial do filtro de barro: ele tem um sistema lento de filtragem, no qual, gota a gota, a água passa de um recipiente para outro. Isso, segundo a pesquisa, é um ponto muito positivo, já que os sistemas mais eficientes são os baseados em filtragens por gravidade. Dessa maneira, micro-organismos são literalmente sufocados pela pressão e não alcançam a água a ser tomada.
Talvez esteja na hora de ir visitar a sua avó, tomar um copo-d’água e copiar a ideia do filtro.


Renda do trabalho nas periferias teve maior queda em dez anos

Marcos Alves
Marcos Alves | Agência O Globo

A renda per capita do trabalho teve neste primeiro semestre sua maior queda nos últimos dez anos em comparação com o mesmo período de 2014. A constatação é de uma pesquisa inédita feita por Marcelo Neri, ex-ministro de Dilma e inventor do conceito da nova classe C, tão propagandeado no governo Lula.
De acordo com Neri, a renda per capita do trabalho nas periferias das metrópoles caiu 4,6% no período — dez vezes mais que a queda verificada no país como um todo. E quase o dobro do tombo registrado nas principais metrópoles.
A notícia é ruim, mas há uma pior. Se for tomado apenas o mês de junho, a queda é de 6,1% em comparação com o mesmo mês do ano passado. Em resumo, os moradores das periferias são os grandes perdedores entre os pobres brasileiros.

Prefeito de Município cearense começa a se articular para eleições municipais 2016


Após o rompimento político-eleitoral entre o Prefeito de Aracoiaba, Antonio Cláudio e a Ex-prefeita, Dra. Marilene Campelo, ao que tudo indica, deixou o gestor mais leve para pensar na sua reeleição. O mesmo já iniciou uma serie de investidas politicas para atrair novos correligionários. Atualmente, O Prefeito conta com um amplo grupo, como por exemplo o da Vice-prefeira Dona Bill, o Presidende da Câmara Wellington Silva, Vereador José Wilson Dantas, Vereador Helder Paz, Ex-vereador Mita, Presidente do PSB e Ex-vice - prefeito Nazareno Bezerra entre outros.

Vale lembrar que o pleito de 2016 poderá apresentar um embate eleitoral histórico histórico entre Antonio Cláudio (PSDB), Tiago Campelo (PDT) e Ary Ribeito (PMDB). 

domingo, 25 de outubro de 2015

O El Niño deve agravar a Seca no Ceará. Saiba como o aquecimento, causado pelo fenômeno, vai impactar nas nossas chuvas:



Aquecimento das águas centrais do Pacífico já está 2,4 graus acima da média. É o mais alto índice do El Niño desde 1997 neste período, o pior registrado, e deve agravar a seca em 2016...

O que está por vir no cenário de seca no Ceará não é mesmo nada bom. A temperatura atual das águas do Oceano Pacífico, na zona mais central e que passa alinhada com o Equador, está alta como poucas vezes esteve. No intervalo entre a 39ª e a 42ª semana do ano, já se equivale aos piores índices até então registrados. O mar está 2,4°C mais quente que o esperado para esta época. Essa região do Pacífico, quando superaquecida, é a mais influente para determinar como será a estação chuvosa (fevereiro a maio) do ano seguinte no Nordeste brasileiro. 
Quando se avaliava a possibilidade de El Niño no ano passado, a medição chegou em novembro/2014 a 0,5°C acima do esperado e, perto de dezembro/2014, marcou 1°C acima. Não se confirmou El Niño, mesmo assim a seca no Ceará emendou o quarto ano seguido em 2015, com chuvas 35,2% abaixo da média histórica (804,9  milímetros) . 

Agora, na medição mais recente de outubro/2015, atualizada a cada segunda-feira, os balões atmosféricos lançados no Pacífico mostram 2,4°C a mais e em perspectiva de alta. O que faz piorar? O Ceará está com apenas 14,8% de reserva hídrica atualmente em 153 açudes. E, na última semana, a Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme) confirmou a projeção de baixa para as chuvas de pré-estação (dezembro/janeiro). 
 
Ainda não há informação conclusiva sobre o nível de repercussão total do El Niño para 2016. São indicações. Mas, por enquanto, esse superaquecimento central do Pacífico se iguala ao índice de 1997 (+2,4°) e bate o de 1982 (+2,1°) no intervalo setembro/outubro. O pico do fenômeno deve acontecer exatamente entre dezembro e janeiro. Vale lembrar que na repercussão desses piores El Niños, em 1983 o Ceará também emendou cinco anos inclementes de estiagem, com chuva 57,6% abaixo da média. Em 1998, a quadra chuvosa foi 49,9% menor que a média. 
















































E nem havia El Niño “Posso te afirmar que estávamos tendo seca no Ceará sem condições de El Niño. Agora estamos com El Niño forte. Então o cenário é muito pior”, alerta o presidente da Funceme, Eduardo Sávio Martins. Ele explica que o último registro do fenômeno foi em 2010, mas com baixa intensidade. E 2011 foi chuvoso (+28,5%) por causa do La Niña, que é o fenômeno inverso, de esfriamento das águas do Pacífico - benéfico para a propensão de chuvas no Nordeste. 
 
Há cerca de três meses, a partir da preocupação climática e da situação hídrica, mudou-se, inclusive, a frequência das reuniões de um grupo do secretariado estadual destacado para tratar do assunto. De mensal, passou a ser semanal. No grupo estão as secretarias de Planejamento e Gestão (Seplag), Desenvolvimento Agrário (SDA), Recursos Hídricos (SRH), da Pesca, o Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica (Ipece), Cagece e a própria Funceme.
 
Nos encontros, alguns deles inclusive com a presença do próprio governador Camilo Santana, as pastas discutem como amenizar os danos causados pela estiagem 2015/2016. Órgãos setoriais, como SRH, Cagece, Funceme, Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos (Cogerh) e Superintendência de Obras Hidráulicas (Sohidra) mantêm a reunião semanal das sextas-feiras. 
 
As chuvas deste ano foram tão poucas que o aporte de água nos reservatórios cearenses foi o terceiro mais baixo desde 1986, no período de fevereiro a maio. Em 2015, foram repostos 600 milhões de metros cúbicos na estação chuvosa. Nos registros destes 30 anos seguidos, as precipitações só foram piores aos açudes nos anos 1993 (110 milhões de m³) e 1998 (360 milhões de m³). Até a última sexta-feira, 82 açudes dos 153 monitorados no Ceará (53,59%) estavam com volume entre zero e 9% de água armazenada. A perspectiva de céu sem nuvens em 2016, ventilada pelo El Niño, assusta mais. 

Saiba mais

As variáveis do Atlântico 

O Atlântico, apesar de ser o oceano que banha o Brasil, é menos influente para determinar a estação chuvosa nordestina do que o Pacífico. O presidente da Funceme, Eduardo Sávio Martins (foto), explica que um dos motivos é porque o Atlântico é quase cinco vezes menor do que a bacia do Pacífico. “O Atlântico aquece mais rápido, esfria mais rápido, tudo pode acontecer em muito menos tempo, o que é mais desfavorável para a previsão meteorológica”. Martins diz que mesmo o Atlântico estando com um aquecimento atual na sua porção mais ao norte ainda é cedo para apontar esse dado como definidor do cenário para 2016. (CR)
Repórter Cláudio Ribeiro - O Povo

Controladoria-Geral da União-CGU constata que 80% das irregularidades em prefeituras ocorrem por má gestão

Estudantes transportados em
A última inspeção feita pela CGU (Controladoria-Geral da União) governo mostrou que nem todas as irregularidades em prefeituras, principalmente no interior do país, são fraudes ou corrupção. O problema maior é de gestão e de despreparo do servidor público. O relatório de fiscalização em 60 municípios revelou que 80% dos casos investigados eram de erros formais ou falhas médias. Mesmo assim, o trabalho feito pelo órgão mostrou um quadro assustador de desperdício de dinheiro público por causa do descaso, que prejudica principalmente a população.   

Os relatórios da CGU mostraram que exemplos de má gestão é o que não falta em várias cidades brasileiras. O documento confirma o que todos sabem, que os setores mais prejudicados é o da educação e o da saúde. Isso, independentemente do tamanho do município, do número de habitantes ou de que região do país se localiza. Além disso, a fiscalização constatou que muitas das irregularidades estão nas pequenas cidades, principalmente na zona rural.

Em Trombudo Central, uma cidade de 6,5 mil habitantes no interior de Santa Catarina, foram encontrados problemas em saúde e educação, sendo que os principais no primeiro setor. O município, por exemplo, não conseguiu comprovar o cumprimento da carga horário dos médicos que atendem ao PSF (Programa de Saúde da Família). Mas as irregularidades não param por aí. Os fiscais da CGU constataram que haviam deficiências na estrutura física da unidade de saúde, o que prejudica um conjunto de atividades desenvolvidas no local. Na área da educação, entre outras coisas, foi constatado que apenas uma nutricionista era responsável pelo atendimento de 914 alunos.

No mesmo município, a CGU constatou que a merenda escolar tinha qualidade e quantidade, o que não acontecia em Simplício Mendes. Em várias escolas do município de 12 mil habitantes, localizado a 416km de Teresina, não havia cuidado com a alimentação dos estudantes. Em uma das escolas visitadas pelos auditores da CGU, os produtos ficavam em um armário onde também eram guardados os pratos e panelas. O relatório final relatou: não existem registros da realização de controle de pragas e insetos na cozinha. O mesmo foi registrado em outros estabelecimentos.

Ainda em Trombudo Central, a CGU fiscalizou uma quadra esportiva, cujas obras estavam atrasadas e com irregularidades. O prazo para o término era de 180 dias. A empresa solicitou, e conseguiu a prorrogação do prazo, além de um aditivo por parte da prefeitura. A alegação dada pela executora da obra foi a de que dificuldades na construção e várias intempéries. No entanto, os fiscais constataram que a argumentação não procedia.

Conforme a CGU, a prefeitura concedeu novo prazo para a construtora, alegando que o cancelamento do contrato daria um prejuízo maior. A obra realmente estava sendo feita, mas a CGU constatou que o município, ao conceder uma nova data para a entrega da construção, não respeitou o item contratual relativo ao prazo de execução. Logo após a visita dos técnicos da Controladoria, no entanto, a obra retomada em bom ritmo.

Transparência              

Os últimos relatórios de fiscalizações da CGU, concluído no mês passado, foram feitos com base de dados levantados em 15 cidades do Sudeste, seis do Centro-Oeste, seis do Norte, nove do Sul e 24 do Nordeste. Todas elas com menos de cem mil habitantes. O programa tem como meta dar maior transparência à gestão governamental, principalmente dos municípios que movimentam dinheiro da União. O trabalho foi feito por cerca de 360 servidores da controladoria.

Em Marechal Thaumaturgo, cidade à beira do Rio Juruá, no Acre, o problema era o de alimentos vencidos no estoque da merenda escolar, no almoxarifado da prefeitura. Além disso, os fiscais constaram que os livros didáticos não estavam sendo distribuídos aos estudantes. No município, de 12 mil habitantes, foram constatadas falhas na execução de recursos transferidos por meio de convênios com a União, como os recursos encaminhados para a construção de uma Unidade Básica de Saúde.

Americano de Goiás (GO), de 5,5 mil habitantes, as principais irregularidades também eram na área de educação. As cozinhas de duas escolas visitadas, segundo o relatório da CGU, apresentavam condições inadequadas para o preparo e a distribuição de lanches aos alunos. Em um dos estabelecimentos, os fiscais constatam que não havia forro no teto, as paredes não tinham pinturas, pias e tanques em condições insalubres, entre outras situações. Em outra escola as portas das cantinas era fora do padrão e não possuíam meios de impedir a entrada de insetos e roedores.   

Fraudes

Mas nem tudo é problema de gestão dos administradores. Há alguns dias, a CGU e a Polícia Federal desbarataram um esquema de desvio de verbas públicas destinada ao transporte escolar. As fraudes causaram um prejuízo de pelo menos R$ 50 milhões aos cofres públicos. Nos últimos quatro anos. A Operação Carona, como foi denominada a ação, foi realizada em Recife, Caruaru, Serra Talhada, Carpina, Limoeiro, Glória do Goitá e Passira, todas cidades pernambucanas.

As investigações da Polícia Federal começaram depois da análise de um relatório do programa de fiscalização da CGU. Os fiscais descobriram que antes da licitação para a contratação de ônibus escolar, já se sabia qual seria a empresa ganhadora. Além disso, a PF recebeu diversas denúncias. No decorrer as investigações, uma testemunha de Glória de Goitá foi vítima de um atentado e hoje se encontra no programa de proteção.

A CGU realizou nos últimos meses, um trabalho diferente de fiscalização, que foi uma avaliação dois danos causados pela enchente do Rio Madeira, em Porto Velho, que durou três meses, no ano passado. Havia uma discussão da prefeitura local com o governo do estado, sobre quem geraria os recursos repassados para as ações de socorro, de assistência às vítimas e o restabelecimento dos serviços essenciais. Além disso, a controladoria avaliou as condições de acomodação das famílias atingidas.


Os auditores avaliaram a atuação nas áreas de defesa civil, saúde, assistência e promoção social, infraestrutura e educação, entre outras. Ao final, os fiscais elaboraram um longo relatório com várias sugestões para que a situação dos moradores ribeirinhos voltasse à sua normalidade. Algumas dizia respeito ao reparo de ambulâncias, já que, durante as cheias, várias delas estavam sem condições de uso. Além disso, a CGU orientou que fossem construídas novas escolas em diversas comunidades, entre outros.
FATO ONLINE

sábado, 24 de outubro de 2015

“Elefante branco”: Hospital do Sertão Central fechado, enquanto pessoas morrem a caminho da Capital


Passar pela CE-060, olhar uma obra tão gigantesca como aquela e, ao mesmo tempo inutilizada, é a provar real do que o serviço público nesse país precisa mudar o seu perfil.
 Inaugurado há quase um ano pelo ex-governador Cid Gomes, o Hospital e Maternidade Regional do Sertão Central está fechado e sem qualquer expectativa de funcionar. O governo do Ceará alegava falta de recursos, mas há dois meses o ex-ministro da saúde garantiu verba federal para o inicio de funcionamento.
Se R$ 10 milhões reais mensal, era o principal motivo para o funcionamento, logo o governo estadual alegou falta de água na cidade de Quixeramobim. A construção de uma adutora de 61 km, em caráter de emergência está em pleno vapor, mesmo assim, não existe uma data pela Secretaria Estadual de Saúde para colocar esse “elefante branco”, em funcionamento.
Enquanto o governo do Estado não resolve esse problema, ambulâncias de 18 municípios da região do Sertão Central e Sertões dos Inhamuns continuam em peregrinação nas péssimas estradas, com destino aos hospitais de Fortaleza, especialmente ao Instituto Dr. José Frota.
Se, estivesse em pleno funcionamento, muitas vidas estavam sendo salvas, mas os políticos da região acham melhor, iniciar disputar internas, do que pressionar o governador Camilo Santana para cumprir o que prometeu.
Passar pela CE-060, olhar uma obra tão gigantesca como aquela e, ao mesmo tempo inutilizada, é a provar real do que o serviço público nesse país precisa mudar o seu perfil.
Localizado na cidade de Quixeramobim, a obra custou R$ 67,6 milhões, os quais R$ 51,2 milhões foram disponibilizados para aquisição de equipamentos, através de financiamento junto ao Banco Nacional do Desenvolvimento (BNDES) e parceria com o Ministério da Saúde.
O Hospital terá 15 leitos na emergência infantil, 30 leitos na emergência adulto, 20 leitos de UTI, 16 leitos de terapia semi-intensiva, 12 leitos de cirurgia, oito no setor de neonatalogia, 11 leitos neonatais e 140 leitos na enfermaria. Serão 11 salas de cirurgia, 15 consultórios e oito salas de exames e tratamentos. O Hospital do Sertão Central contará também com um Centro de Atenção à Saúde Sexual e Reprodutiva da Mulher para ampliar e qualificar a assistência às mulheres, reduzindo a mortalidade materna.
REVISTA CENTRAL