ABAS

quinta-feira, 2 de julho de 2015

PPS rejeita apoio a Roberto Cláudio e convida Heitor Férrer para sigla


Diante da possibilidade de o grupo político dos Ferreira Gomest rocar o Pros pelo PDT, o deputado estadual Heitor Férrer (PDT) tem sido assediado por integrantes de outros partidos caso decida deixar a atual legenda. Nesta quarta-feira, 1°, o deputado Thomaz Holanda (PPS) usou a tribuna da Assembleia Legislativa para reforçar convite do partido a Heitor e para rejeitar possibilidade de apoio à reeleição do atual prefeito de Fortaleza Roberto Cláudio (Pros).

Durante a gestão de Cid Gomes (Pros) no Governo, Heitor foi um dos principais oposicionistas na Assembleia Legislativa do Ceará. Cid foi o responsável por alçar Roberto Cláudio à Prefeitura. À época, Heitor teve bom desempenho na disputa pela Prefeitura em 2012 e é cotado como um dos principais nomes para o pleito de 2016.
“Há uma discussão interna no PPS sobre o apoio à reeleição do prefeito Roberto Cláudio. Todos nós do diretório não concordamos com esse apoio, não parte da maioria do PPS”, disse Thomaz. Ele pontuou que o presidente da juventude do PPS, Felipe Escarcela, fez um pedido à presidência nacional do partido para que não apóie o atual prefeito. “Foi uma posição pessoal do presidente (estadual) Alexandre Pereira”, frisou.

Candidatura própria

“Nós do PPS queremos candidatura própria do PPS em Fortaleza”, disse o deputado. Ele afirmou ainda que o deputado federal do PPS, Moses Pereira, teve reunião com o presidente nacional da sigla, deputado Roberto Freire, na qual foi oficializado convite a Heitor Férrer para integrar o PPS.

“Pra mim é muito triste que um deputado do seu quilate, da sua seriedade, seja abandonado pela sua legenda partidária”, afirmou. O deputado disse que o PDT está dando um “drible” em Férrer.

Heitor Férrer agradeceu o convite. “Vou aguardar os fatos”, disse o deputado. 

Outras siglas

Férrer também estaria sendo sondado por outros partidos como PMDB, PV e PR. Ele já havia recusado convite feito pelo líder do PMDB na Assembleia, Audic Mota. Entretanto, as investidas não teriam cessado.

Segundo fontes ouvidas pelo O POVO, porém, o PDT não temeria uma desfiliação de Heitor. Para os trabalhistas, ele é considerado um partido de si mesmo por seus correligionários. Atualmente, é oposição ao governador Camilo Santana (PT), enquanto seu correligionário, Evandro Leitão, lidera a bancada governista.


Redação O POVO Online

Nenhum comentário: