ABAS

segunda-feira, 22 de junho de 2015

"(...)No entanto, foi preciso esperar que Gerardo Brígido assumisse a presidência do Tribunal de Justiça (TJ) para que um juiz, no caso desembargador, tivesse coragem de enfiar o dedo na ferida, coisa que ninguém, incluindo advogados, tivera a ousadia de fazer. Tomar atitude assim implicou enfrentar reações corporativas, além do confronto direto com uma organização criminosa, especializada em devolver para as ruas bandidos do pior tipo. Qualquer pessoa sensata pode avaliar os riscos que o desembargador correu e ainda corre(...)"


Nenhum comentário: