ABAS

sábado, 8 de março de 2014

Sobre PMDB e PT, chantagens e pilantragens


Fosse num romance do século 19, os insultos só seriam lavados com sangue. Mas é só mais uma encenação estrelada por PMDB e PT. De vez em quando eles se estranhavam. Cedo ou tarde se pegariam. Estava certo que não houvesse troca de socos, joelhada voadora ou mata-leão. Seria esperar demais. Mas no mínimo uma frase bem feita, um insulto mais elaborado, uma ironia mais fina. Qualquer coisa que compensasse o desperdício de tinta, papel e cristal líquido.
Falando em nome Rui Falcão, presidente do PT federal, Washington Quaquá, dirigente máximo do petismo do Rio, chamou de chantagista o líder do PMDB na Câmara, Eduardo Cunha. “Não acredito que a maioria dos deputados do PMDB vai se deixar levar por chantagens.” Cunha devolveu o insulto: “Não vou perder tempo e baixar o nível com um pilantra como esse Quaquá”, anotou no Twitter. “Ele não é personagem de páginas políticas e sim de páginas policiais.” A encrenca não está restrita ao Rio, Cunha avisa.
Até anteontem, chantagistas e pilantras estavam juntinhos. Em Brasília, espremiam-se em torno de Dilma Rousseff. No Rio, apertavam-se ao redor de Sérgio Cabral. Agora estão aí, abespinhados como garotos rivais no pátio da escola, reduzidos à sua inexpressividade primitiva, metidos numa batalha de egos inarticulados.
Diz-se que no Brasil tudo acaba em samba. Como o arranca-rabo atual começou com declarações feitas por Rui Falcão no Sambódromo, espera-se que termine de outra maneira. Políticos costumam brigar e fazer as pazes de maneira desconcertante. A própria união do PT com o PMDB nasceu de uma conversão de Lula a José Sarney.
Rui Falcão diz que o PMDB precisa decidir se é governo ou oposição. O senador Valdir Raupp (RO), presidente interino do PMDB, já fala em derramar água na fervura. Hummm. Vá lá que a política seja o território da hipocrisia. Mas tudo tem limite.
Como diria Millôr, o país pode não resistir à revelação de que está sendo governado por um tour-de-farsa. Vamos lá, senhores, aos punhos. Pequem-se. Rasguem-se. A nação quer ver as vísceras! Vale tudo, menos exigir atestado de bons antecedentes. Golpe baixo não!
DO BLOG DO JOSIAS DE SOUZA

Nenhum comentário: