ABAS

segunda-feira, 13 de janeiro de 2014

Maioria dos profetas da chuva prevê ‘inverno’ tardio

Foto -Jangadeiro On Line
Um “inverno” tardio, com chuvas a partir de março e boa perspectiva para quem quer plantar – esse foi o balanço geral dos profetas da chuva, grupo que se reúne há 18 anos e apresenta o prognóstico da quadra chuvosa através de observação empírica. Os resultados são obtidos por intermédio dos sinais da natureza: florescer de plantas, movimentação dos insetos, posicionamento dos astros.
“Não é fácil conversar com alguém que não fala. E, no nosso caso, esse alguém é a natureza”, diz Aurélio Leal, agricultor que participa do encontro pela primeira vez. Por intermédio do estudo da mata e da situação das cacimbas, ele garante que o “inverno” será mediano, porém tardio. “Nunca vi um ano terminado em quatro ser seco”, lembra. Mas a fé na numerologia do quatro não convence a todos os profetas.
Paulo Costa, agricultor que observa os sinais da natureza através dos ventos, fala que deveremos sim ter “inverno” em 2014, mas ele será “tardio, pesado e curto”. “Sabemos que todo ano terminado no numeral quatro é bom, mas esse ano é atípico. Esse ano não teremos as duas luas cheias no mesmo mês. Teremos, sim, duas luas minguantes em março. E isso não é um sinal de boa chuva para o restante do ano”, pontua. Já o profeta Antonio Lima, veterano no evento, garante que o “inverno” será bom, mas somente a partir de março. “As plantas que observo vivem na mata. Eu vivo com elas na mata também”, orgulha-se.
Escassez
O XVIII Encontro Estadual dos Profetas das Chuvas, realizado no último sábado no Parque de Exposições da Associação de Criadores de Caprinos e Ovinos do Ceará (Acocece), em Quixadá, reuniu 28 homens e mulheres – todos observadores atentos dos sinais da natureza. A maioria deles prevê um “ano bom para quem quer plantar”, mas também há quem aposte na escassez prolongada. O agritor Manoel Lucindo de Lima, 77 anos, diz que a próxima quadra chuvosa será “pior que em 2013”. “Esse chuveiro no sul do País não é bom sinal para nós. Não é. Mas eu espero que a natureza esteja mentindo”.
A reunião seguia entre olhares atentos de pequenos agricultores e empresários do agronegócio – todos aguardando o aval dos profetas para plantar ou não nos próximos meses. Renato Lima de Souza, 66 anos, que começou as pesquisas ainda em junho do ano passado, relata que todos os sinais da natureza apontam para um “inverno” fraco. “O mandacaru está seco, algumas plantas estão lascando quando corto. Não é bom sinal”, diz Renato, que faz previsões desde os anos 1980 – com orientação dos pais e dos avós. É o conhecimento passado de pai para filho.
(O POVO)

Nenhum comentário: