ABAS

quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

Ex-morador de rua é aprovado em Economia na UFC

foto 140116 opovo
Fevereiro guarda um novo capítulo na vida de Helder Marques, 28. Com o início do semestre letivo da Universidade Federal do Ceará (UFC), ele assume vaga conquistada no curso de Ciências Econômicas após se dedicar aos estudos, sozinho junto à estante de livros da Casa São Francisco, no Centro. O local acolhe pessoas em situação de rua e acolheu Helder meses atrás.
Com a seleção na primeira chamada do processo seletivo, Helder preenche uma das 40 vagas destinadas aos alunos de escola pública pelo sistema de cotas da UFC. Volta às salas de aula depois de seis anos. Será universitário.
Helder se preparou sozinho para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2013. Antes, havia trabalhado com vendas em uma empresa de marketing em Brasília. Chegou a Fortaleza no início de 2012 e ficou sem emprego meses depois. Longe dos familiares, que ficaram em Montes Claros (MG), viu-se sem dinheiro para comer e pagar o aluguel. “Fiquei quatro dias na rua, não tinha coragem de pedir”, recorda. Foi encaminhado em outubro ao abrigo mantido pela Comunidade Católica Shalom.
Escolheu passar o tempo, entre a fabricação de vassouras e formações da casa, junto aos livros. “Nos primeiros dias, conheci a biblioteca e senti no coração que eu poderia realizar meu sonho”. E então começou a se preparar para o Enem, com três horas diárias de dedicação. Criou os próprios simulados do Enem com provas de anos anteriores. Os esforços deram resultado.
A aprovação
Helder recorda o nervosismo dos dias do Enem. Mas a própria história serviu de motivação: “Eu estava representando pessoas que, como eu, não tinham esperança”. A aprovação, conta, trouxe surpresa: foi o quarto lugar entre as vagas para cotistas. Para o futuro, planeja cursar inglês ou francês nas Casas de Cultura Estrangeira da UFC.
“A aprovação foi um resultado, mas eu tive que me dedicar diariamente. Vou me tornar um excelente profissional se viver o momento acadêmico e não pensar apenas no diploma”, projeta Helder.
(O POVO)

Nenhum comentário: