ABAS

domingo, 27 de outubro de 2013

Vereadores são acusados de vender votos para prefeito


Ronaldo Mattos (PMDB), atual prefeito do Crato, nega as acusações e ainda afirma ter sido envolvido em uma "rede de intrigas" e que em "nenhum momento" participou de qualquer articulação ilegal...

O deputado estadual Fernando Hugo (SDD) denunciou ontem, na tribuna da Assembleia Legislativa suposta compra de votos feita pelo atual prefeito do Crato, Ronaldo Mattos (PMDB). O parlamentar apresentou documentos e gravações que, segundo ele, comprovam que o prefeito teria comprado vereadores para que votassem pela desaprovação das contas do ex-prefeito Samuel Araripe (PSDB).

De acordo com o ex-prefeito as contas da sua gestão no ano de 2009, aprovadas pelo Tribunal de Contas do Município (TCM), foram desaprovadas na Câmara Municipal após vereadores receberem R$ 50 mil do atual prefeito da cidade.

As contas foram votadas na última segunda-feira, 21, na Câmara Municipal, com 14 dos 19 vereadores votando pela desaprovação. Nos últimos dias, Araripe havia anunciado em rádios locais do Crato que estaria sendo vítima de tentativa de extorsão por parte de alguns vereadores. Mattos, negou, através de comunicado, as acusações. “Não dei, não ofereci, não pedi e não fiz nenhuma ingerência contra as contas do ex-prefeito Samuel Araripe. Minha preocupação é com o município do Crato”, enfatizou. O gestor ainda afirmou ter sido envolvido em uma “rede de intrigas” e que em “nenhum momento” participou de qualquer articulação.

Conforme o prefeito, “as contas de um gestor municipal são analisadas e aprovadas ou não, pela Câmara Municipal, não cabendo ao Poder Executivo interferir nesse debate”. O vereador Dárcio Luiz (PSDB), que aparece em gravação confirmando a compra de votos, disse, também em nota, que a gravação feita pelo ex-prefeito foi “editada”, e só foi divulgada “após a desaprovação das suas contas, o que avalia como um ato claro de chantagem e desespero a fim de buscar justificativa para anular a citada sessão”. Dárcio também pede que o ex-prefeito divulgue a gravação na íntegra, “não de forma editada, pois a conversa não se restringiu ao que foi divulgado”.
O POVO

Nenhum comentário: