ABAS

quarta-feira, 9 de outubro de 2013

Pesquisa Vox Populi para o governo e senado no Ceará - A guerra pelo poder já começou

opovo 131009 eleições 2014
Pesquisa Vox Populi para o Governo do Ceará mostra o senador Eunício Oliveira (PMDB) na liderança das intenções de voto. Seus perseguidores mais próximos são a ex-prefeita de Fortaleza, Luizianne Lins (PT), o atual gestor da Capital, Roberto Cláudio (Pros), e o deputado estadual Mauro Filho (Pros).
A pesquisa foi encomendada pela Confederação Nacional do Transporte (CNT). Em todas as simulações para o Governo, Eunício foi incluído pelo instituto. Para o Senado, o líder é o ex-senador Tasso Jereissati (PSDB), que, contudo, não foi incluído pelo Vox Populi em nenhum dos 10 cenários para governador.
No cenário contra o atual prefeito e sua antecessora, o peemedebista tem 37%, Luizianne, 15% e Roberto Cláudio, 11%. Quando o candidato do partido do governador Cid Gomes (Pros) é Mauro Filho, Eunício tem 37%, Luizianne mantém os 15% e o deputado, 10%. Sem candidato do PT na disputa, Eunício tem 41% contra 16% de RC. Com Mauro no páreo, o placar é de 42% a 14%.
Na pesquisa espontânea, na qual o eleitor diz em quem pretende votar sem ver uma lista com possíveis candidatos, o resultado é bem mais equilibrado. Cid Gomes fica na frente, com 6%. Mas ele não pode mais concorrer. Eunício e Tasso têm 3%, cada. Os demais não passam de 1%.
No quesito rejeição, Luizianne tem 19%, RC, 11% Eunício, 5% e Mauro, 3%.
Para o Senado, Tasso lidera com percentuais entre 38% e 39%, a depender do cenário. O perseguidor mais próximo é o atual dono da vaga que será disputada no ano que vem, Inácio Arruda (PCdoB). Seus índices variam de 20% a 28% com o tucano no páreo e atingem pico de 41% sem Tasso na disputa – o ex-senador tem dito que não pretende ser candidato. O deputado estadual Heitor Férrer varia de 16% a 18%. O deputado federal José Guimarães (PT) oscila entre 4% e 10%. Luizianne tem de 6% a 13%.
Foram ouvidos 1,6 mil eleitores entre 29 de setembro e 3 de outubro. A margem de erro é de 2,5 pontos percentuais.
(O POVO)

Nenhum comentário: