ABAS

segunda-feira, 16 de setembro de 2013

Denúncia revela fila de 65 pessoas à espera de UTI no Hospital Geral de Fortaleza

Sala improvisada para atendimento em hospital de Fortaleza é chamada por pacientes e visitantes de "piscinão" (Foto: André Teixeira/G1)


Quando o tempo não pode mais esperar. Assim, é a vida de quem precisa de uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Realizando uma ´blitz´, integrantes do Instituto Vida visitaram, na manhã de ontem, a emergência do Hospital Geral de Fortaleza (HGF) e denunciaram as dificuldades de acesso ao serviços de urgência.

Segundo relato do coordenador da organização, João Mota, até as 13h do domingo, 65 pessoas estavam na fila da Central de Regulação de Fortaleza à espera por uma vaga de UTI. A assessoria de comunicação da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), porém, não tinha informações sobre o assunto e deve se pronunciar somente hoje.

"O órgão me confirmou esse número. Todas doentes em estado gravíssimo, necessitando de leitos. Dentre estes, três estão com liminares da justiça. Não existem vagas e provavelmente morrerão ou ficarão sequelados para o resto da vida", afirma João Mota. Para reforçar a gravidade da situação, o Instituto Vida fez coleta de assinaturas, ontem, para um abaixo-assinado exigindo mais vagas.

O HGF comunica que toda a distribuição e regulação desses leitos são feitas pelas centrais de regulação. Portanto, não é competência desse hospital gerir essa distribuição. Vale ressaltar ainda que o hospital conta com 38 leitos de UTI´s para adultos e novos 14 leitos de internação para pacientes crônicos que chegam à emergência.


DIÁRIO DO NORDESTE

Nenhum comentário: