ABAS

sábado, 14 de setembro de 2013

ARTIGO: Abaixo os viadutos!


E as passarelas também... Chama atenção no debate sobre a questão do viaduto do Cocó o fato de que a polêmica parece ter se fixado sobre a questão de umas tantas castanholas. Não é esse o ponto central da questão. O viaduto não deve ser feito porque esse tipo de solução tem um efeito deletério sobre a paisagem urbana (especialmente à frente de um parque), criando áreas degradadas sob sua projeção, arruinando a moradia de vizinhos ao redor, desvalorizando áreas inteiras da cidade.


Não por outra razão esse tipo de equipamento bem como os elevados e passarelas têm sido removidos de cidades progressistas, substituídos por soluções em túnel.


O argumento de que o túnel é mais caro não vale, já que se trata de solução muito melhor e definitiva, e tampouco a questão do lençol freático, já que apenas um nível de escavação será necessário, nada que a nossa construção civil já não faça há muito tempo em meros prédios de apartamento com dois ou três subsolos.


E as passarelas? Em lugar civilizado não é o pedestre que sobe escada – as pistas de veículos é que devem mergulhar no solo, deixando a cidade e o cidadão livres de geringonças a enfear o tecido urbano e a agredir a vida das pessoas. Mas é um alento o fato de que a sociedade finalmente parece despertar para o que acontece a Fortaleza. Em vez do confronto inútil, as autoridades devem aproveitar a energia da ocasião para aposentar esse projeto feito pela administração Juracy (o que não é lá grande referência), contratar a melhor assessoria técnica e apresentar em curto prazo uma solução definitiva para a sociedade.


Seria uma vitória para todos e o marco de uma nova era na administração urbana de Fortaleza, com investimento em bons projetos, com a formação de um corpo técnico de urbanistas aparelhado e remunerado para pensar a cidade, com concursos de projetos e um permanente debate que nos devolva o orgulho que perdemos por nossa cidade sofrida. Não é uma crise sem saída; ao contrário, é uma oportunidade de ouro.

Jayme Sousa Leitão
Arquiteto e urbanista
PUBLICADO NO JORNAL O POVO

Nenhum comentário: