ABAS

terça-feira, 3 de setembro de 2013

Após barbárie, o arrependimento

Laycer Tomaz / Câmara dos Deputados - Deputados da frente em defesa do voto aberto pediram a votação da PEC em Plenário.

Se você conseguir visualizar o processo legislativo como um ovo, poderá entender melhor o que está acontecendo na Câmara. Reza o brocardo que não dá para fazer omelete sem quebrar os ovos.
Na semana passada, ao salvar o mandato do deputado-presidiário Natan Donadon, os deputados informaram à plateia que não estão nem aí para a omelete. No escurinho do voto secreto, gostam mesmo é do crec-crec dos ovos quebrando.
O problema é que o excesso de desfaçatez, o chute a mais às vezes estilhaça os ovos. Do povo. Quando isso ocontece, entra em cena a moral da sobrevivência. Depois da barbárie, a contrição.
Ao aprovar por unanimidade a emenda constitucional que extingue o voto secreto em todas as votações do Parlamento, os deputados tentam provar a si mesmos que é possível desfritar um ovo.
Desengavetada após sete anos de esquecimento, a emenda do voto aberto vai ao Senado. Quer dizer: a cozinha permanece aberta. E a louça suja continua na pia. Se os congressistas ensinaram alguma coisa ao eleitor é a não esperar nenhum tipo de arrependimento altruísta. Melhor não acreditar 100% na hipótese de o Senado devolver o ovo ao interior da galinha.
COM INFORMAÇÕES DO BLOG DO JOSIAS DE SOUZA

Nenhum comentário: