ABAS

quarta-feira, 31 de julho de 2013

A destruição da natureza causada pelo homem começa a se voltar contra o próprio agressor; a degradação de dois terços dos ecossistemas da terra pode ter consequências desastrosas para a humanidade nos próximos 50 anos, esses dados fazem parte de um estudo da ONU em conjunto com cientistas e Ongs de 95 países de todo mundo


Em meio a “politicalha” brasileira, o cidadão é constantemente escorraçado


Capitalismo


Imagem do Perfil no Facebook "O Patriota - Brasil"


Na evolução da escravidão
Nada evoluiu
Pouco mudou
No lugar do tronco, o morro
Ao invés do chicote, a gravata
Como pode-se ver
Não se evoluiu nada
Senzala ou favela, o negro tá lá
Dentro dela
A marmita fria na lata
É mais deprimente que a invenção da feijoada

Quem me dera um dia
Tudo mudar
Colocar o zumbi no meu colo
A ninar
O operário no shopping
A gastar, a comprar, a gastar
Mas o operário há muito não sabe o que é um salário
O zumbi nunca ficou tanto tempo sem dormir
Se isso for evoluir
Por favor, me deixe parar por aqui.
Por Marcos Morales

Operação cumpre mandados contra gestores públicos



Operação executa 15 mandados de prisão contra gestores públicos e empresários no Ceará

Ação envolve 5 municípios com fraudes em licitações e documentos


Operação deflagrada pelo Ministério Público Estadual (MPE) e a Polícia Civil cumpre 15 mandados de prisão temporária em 5 municípios cearenses na manhã desta quarta-feira (31). A operação "Miragem II" executa prisões de gestores públicos e empresários em Fortaleza, Maracanaú, Russas, Morada Nova e Quixadá. Eles são acusados de envolvimento em fraudes em licitações e adulteração de documentos durante a investigação criminal que já vinha acontecendo na "Operação Miragem I", ocorrida em junho.
Foram expedidos 19 mandados de busca e apreensão. Todos os mandados de prisões foram contra pessoas já envolvidas na 'Miragem I', já os de busca e apreensão têm novas pessoas envolvidas.
Até o momento, muitos não foram localizados. O Ministério Público do Estado do Ceará e a Polícia Civil seguem fazendo diligências pelo Estado para prender os envolvidos.

DIÁRIO DO NORDESTE

terça-feira, 30 de julho de 2013

Faz-se necessário a compreensão, mas a transformação é essencial


Neste "Brasilzão" de meu Deus a coisa está mais ou menos assim..


Sem palanques nos Estados, Marina já admite 'voo solo'

Marina Silva durante evento para público que colhe assinaturas para a criação de seu partido


A pouco mais de dois meses do prazo final para se credenciar à disputa eleitoral de 2014, coordenadores da Rede Sustentabilidade afirmam que, mesmo que consigam registrar a tempo o novo partido, não haverá palanques relevantes nos Estados para sustentar a candidatura presidencial de Marina Silva.
Com isso, a pretensão da ex-senadora de suceder Dilma Rousseff não contará com dois dos principais trunfos das campanhas: fortes alianças estaduais e espaço na propaganda de rádio e TV.

Terceira colocada na corrida ao Planalto em 2010, com 19,3% dos votos válidos, Marina está sem legenda desde 2011, quando rompeu com o PV. Desde então seu grupo articula a montagem da Rede, mas só no início deste ano começou a coletar as 492 mil assinaturas necessárias para colocar a legenda de pé --até ontem, dizia ter obtido 818 mil, mas só 125 mil haviam sido validadas pelos cartórios.
Para que Marina se candidate, é necessário que seu novo partido passe por todo o processo burocrático de aprovação na Justiça Eleitoral até o início de outubro deste ano.
Em resumo, os aliados da ex-senadora argumentam que o processo de criação da legenda inviabilizou a articulação de chapas relevantes de candidatos a governador, senador e deputados, discussão já a todo vapor entre os partidos estabelecidos.

O deputado federal Alfredo Sirkis (PV-RJ), coordenador da última campanha de Marina, diz que a falta de palanques fortes nos Estados "foi um problema em 2010 e pode ser maior em 2014".
"Mas a realidade é essa, vamos trabalhar com isso. Tem gente que acha que basta a candidatura da Marina, outros acham que ela precisa de alianças. Mas, a rigor, essa discussão nem começou."
O também deputado Domingos Dutra (PT-MA), reforça: "Como diz o ditado, ou toca o sino ou acompanha a procissão. Priorizamos o recolhimento de assinaturas, infelizmente não vamos ter chapas fortes nos Estados".
O esvaziamento das chapas estaduais, com o consequente recuo de políticos que ensaiavam ingressar na Rede, se reflete no tempo de propaganda eleitoral na TV, que é calculado com base no número de deputados federais que a legenda possui.
Como a filiação de deputados federais à Rede deve ser menor do que a dos seis previstos até há alguns meses, Marina teria pouco mais de 1 minuto em cada bloco de 25 minutos, menos do que o já pequeno espaço que teve em 2010 (1min23s).
"Um minuto de TV da Marina pode ser equivalente a 30 minutos de outros candidatos", rebate o deputado federal Ricardo Tripoli (PSDB-SP). Ele cita a internet como meio de escapar às dificuldades. "Se está fugindo dos métodos políticos convencionais, por que não buscar formatos de apoios alternativos nos Estados também?"
Aliados de Marina esperam que a insatisfação das ruas favoreça a ex-senadora. Segundo o Datafolha, a ex-senadora subiu de 16% para 23% das intenções de voto após os protestos. Em 2010, Marina já havia tentado esse modelo, mas a arrecadação pela internet foi pífia: R$ 170 mil, menos de 0,6% do gasto total.

FOLHA.COM

NO MUNICÍPIO DE BATURITÉ - Quadrilha sitia cidade, cerca PM e explode banco


Na madrugada de ontem, o município de Baturité, a 93 quilômetros de Fortaleza, testemunhou a audácia de assaltantes. Uma quadrilha formada por cerca de 30 homens fortemente armados, trajando roupas camufladas, encurralou a Polícia Militar e explodiu a agência do Banco do Brasil local. 

Segundo testemunhas, toda a ação durou cerca de 20 minutos. O grupo fugiu levando parte do dinheiro. A quantia não foi informada. O restante das cédulas ficou espalhado pelo chão da agência.

A ação se deu por volta das 3 horas, quando a quadrilha tomou a praça Santa Luzia, no centro da cidade, onde o banco fica localizado. “Minha mãe foi beber água e ouviu eles expulsando algumas pessoas que estavam na praça. Pensou que era alguma briga, mas viu que todos estavam armados com fuzil e usavam roupas camufladas como a do Exército. Um deles estava com uma lanterna, ameaçando quem tentasse olhar pela janela”, contou o estudante Ramon Camurça, 20 anos.

Em seguida, conta ele, o que se ouviu foi uma explosão. A força da explosão fez com que a parede da agência desmoronasse, permitindo que o cofre fosse visto do meio da rua. Após o crime, a quadrilha deixou o local levando malotes de dinheiro.

Agência saqueada
O prédio de dois andares onde está o BB ficou destruído. Pedaços de concreto de aproximadamente cinco quilos foram arremessados a 20 metros de distância. Cédulas de R$ 50 e R$ 100 também foram parar na calçada. “Nosso apartamento estremeceu inteiro. Foi uma cena que nunca vai sair da minha cabeça”, disse a dona de casa Neuza Maria Camurça, 52.

Testemunhas relataram que, com a saída dos assaltantes, alguns moradores foram até a agência e saquearam o local. “Tinha muita gente rasgando envelopes de depósito para retirar o dinheiro de dentro. Só pararam quando a Polícia conseguiu chegar”, contou uma testemunha. Pela manhã, algumas pessoas ainda procuravam cédulas nas proximidades da praça. Dentro da agência, ainda era possível avistar dinheiro entre os escombros.

Durante todo o dia, policiais de vários destacamentos da Polícia Militar da região, além de homens do Comando Tático Rural (Cotar), realizaram buscas por municípios vizinhos. Aeronaves da Coordenadoria Integrada de Operações Aéreas (Ciopaer) auxiliaram nas buscas. Entretanto, os criminosos não foram encontrados. O caso será investigado pela Delegacia de Roubos e Furtos (DRF) e pela Coordenadoria de Inteligência (Coin), da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS).
O POVO

IDHM NO CEARÁ - Baixo índice de educação impede desenvolvimento


DO DIÁRIO DO NORDESTE

Apesar de melhora, o setor puxa para baixo os indicadores; Salitre é município com o pior desempenho no Estado

Em 20 anos, o Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM) de Fortaleza cresceu 38%. Entre 1991 e 2010, o valor passou de 0,546 para 0,754. Dessa forma, a classificação mudou de "baixo" para "alto". A Capital ocupa a 467ª posição, considerando os 5.565 municípios brasileiros. No Ceará, o crescimento foi de 68,3%, saltando de 0,405 em 1991, para 0,682 em 2010. O índice é maior que a média nacional, que subiu de 0,493 em 1991 para 0,727 em 2010, apresentando crescimento de 47,5%. A educação, no entanto, ainda é o fator que mais contribui para evitar que o IDHM no Estado do Ceará melhore.

Apesar de o indicador ter apresentado o melhor crescimento entre os avaliados pelo IDHM, subindo de 0,204 em 1991, para 0,615 em 2010 (201,4%), ele ainda é o menor dos apresentados pelo estudo. A média nacional, em 2010, foi de 0,637. Entre 1991 e 2010, a longevidade saltou de 0,613 para 0,793 (29,3%). A pesquisa foi divulgada, ontem, pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud), em parceria com o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e a Fundação João Pinheiro.

No Ceará, Salitre foi o município com pior desempenho no indicador educação (0,434), seguido de Potengi (0,441), General Sampaio (0,449), Granja (0,453), Araripe (0,459), Parambu (0,460), Itatira (0,463), Aiuaba (0,474), Viçosa (0,475) e Tambor (0,476).

Concentração

Renato Pequeno, professor do Departamento de Arquitetura da Universidade Federal do Ceará (UFC), comenta que, no Ceará, fica muito evidente que apenas Fortaleza está entre os 500 melhores municípios do Brasil. "Isso reflete que o desenvolvimento no Estado ainda é extremamente concentrado na Capital. O mesmo vale para os demais estados do Nordeste. O poder continua muito concentrado nas capitais". O especialista acrescenta que, apesar dos muitos avanços que aconteceram no Brasil, o Ceará continua com a classificação "médio", diferentemente de Fortaleza, que ocupa a 467ª posição no ranking, com classificação "alto".

"Houve avanço, mas dentro de um País em desenvolvimento, o Ceará permanece como um Estado subdesenvolvido", ressalta. Entre 1991 e 2000, observa Pequeno, o acúmulo foi maior do que o apresentado na última década, quando houve uma desaceleração no crescimento.

Investimentos

Para reverter esse cenário, o especialista defende que é preciso investir no básico: saúde e, sobretudo, em educação. "O Estado, como um todo, apesar de ter tido uma série de avanços na educação, ainda tem muito o que melhorar. O que se deve buscar é distribuir melhor os investimentos públicos e deixar de fazer obras faraônicas, que só beneficiam o turismo", salienta.

Em vez disso, diz que deveria haver investimento em escolas e hospitais. "Um estado com escolas capacitadas é o que atrai mais investidores. Não é ter uma arena que vai melhorar o nosso IDHM. É investir no básico. Investe em educação e saúde, que todos os índices melhoram".

Fluxo escolar aumenta no País
Apesar da necessidade de melhorias, o subíndice educação foi o que registrou maior aumento nas últimas duas décadas no Brasil, saindo de um patamar de apenas 0,279 para 0,637, representando um avanço de 0,358. De acordo com a pesquisa, essa variação ocorreu devido ao aumento do fluxo escolar.

Em 20 anos, a proporção da população adulta com ensino fundamental concluído passou de 30,1% para 54,9%. Em relação às crianças de 5 a 6 anos, por sua vez, saltou de 37,3% para 91,1%, e os jovens de 11 a 13 anos nas séries finais do ensino fundamental, que era de 36,8% em 1991, passou a 84,9% em 2010. Na faixa etária de 15 a 17 anos, a população com o fundamental completo passou de 20% para 57,2%, em duas décadas.

Os anos finais da educação básica foram registrados pelo IDHM educação como a fase com o principal problema. Apesar da porcentagem de jovens de 18 a 20 anos com ensino médio completo ter passado de 13% para 41%, a maioria desta faixa etária no País ainda não completou os estudos.

Diferenças

Na área educacional, a situação mais grave está no Norte e Nordeste. Mais de 90% dos municípios se encontram nas faixas de classificação "baixo", inferior a 0,599, e "muito baixo desenvolvimento humano", quando é menos de 0,499. Por outro lado, nas regiões Sul e Sudeste, mais de 50% dos municípios apresentam IDHM dentro das margens consideradas "médio", quando os índices estão entre 0,600 e 0,699, e "alto", quando estão entre 0,700 e 0,799.

Águas de São Pedro, no Estado de São Paulo, por exemplo, é a cidade melhor qualificada no ranking da educação, com pontuação de 0,825. O município conta com acesso universal à escola para crianças de 5 e 6 anos de idade, e cerca de 75% de seus jovens entre 18 e 20 anos com o ensino médio completo.

Já na região Norte, a cidade Melgaço, no Estado do Pará, apresenta o pior índice brasileiro, com menos de 60% de suas crianças entre 5 e 6 anos na escola e apenas 5,63% de jovens entre 18 e 20 anos com o ensino médio concluído.

LUANA LIMAREPÓRTER



Humor político: responda com muita atenção a pesquisa


IBAMA - Laudo diz que árvores cortadas no Cocó estavam em área de preservação


O documento toma como base o Código Florestal brasileiro. Até o momento, 79 árvores foram derrubadas para a construção de viadutos no Cocó. Segundo o Ibama, esse tipo de intervenção exige estudo específico para a região.

Laudo do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama) aponta que a Prefeitura de Fortaleza derrubou árvores localizadas em área de preservação permanente, segundo o Código Florestal, para iniciar a construção de dois viadutos nas avenidas Antônio Sales e Engenheiro Santana Júnior, no Cocó. Além disso, os técnicos do Ibama consideram “condição sine qua non” (indispensável) para o licenciamento ambiental daquela obra a elaboração prévia do Estudo de Impacto Ambiental e o respectivo Relatório de Impacto Ambiental (EIA/Rima), o que não teria sido feito pela Prefeitura.

“O desmatamento está sendo realizado em área de manguezal, considerada pelo Código Florestal área de preservação permanente (...) em se tratando de área situada na zona costeira, a lei que dispõe sobre o Plano Nacional de Gerenciamento Costeiro determina que, para o licenciamento ambiental da obra em questão, seja condição sine qua non elaboração do prévio Estudo de Impacto Ambiental e o respectivo Relatório de Impacto Ambiental, não podendo estes estudos serem substituídos por outros estudos mais simplificados como Estudo de Viabilidade Ambiental - EVA, Plano de Controle Ambiental - PCA ou, ainda, um Relatório de Impacto sobre o Tráfego - Rist”, diz o laudo, a cuja íntegra O POVO teve acesso, produzido após vistoria de três técnicos do Ibama no Cocó, em 15 de julho.

A Prefeitura, por sua vez, alega a existência de EIA/Rima elaborados para a execução do Programa de Transporte Urbano de Fortaleza (Transfor) - que inclui os viadutos do Cocó - como um todo.

O laudo serviu de base para que, no último dia 24, o procurador da República Oscar Costa Filho acionasse a Polícia Federal. Dois dias depois, a PF instaurou inquérito para apurar a responsabilidade criminal da Prefeitura de Fortaleza no corte de 79 árvores do Parque do Cocó. No ofício que comunicou a abertura do inquérito, o delegado Thomas Wlassak pede ao prefeito Roberto Cláudio (PSB) esclarecimentos sobre a derrubada das árvores, assim como pede aos técnicos do Ibama que prestem depoimento sobre a vistoria no parque. A PF solicitou, ainda, manifestação da Secretaria do Patrimônio da União (SPU) – a SPU, após inicialmente embargar a obra no Cocó, liberou a intervenção.

Ação do MPF
O procurador Oscar Costa Filho deu entrada ontem em uma ação civil pública com pedido de liminar contra a Prefeitura e a União pedindo a suspensão da autorização para o prosseguimento da obra no Cocó.

De acordo com ele, novamente embasado no laudo do Ibama, a intervenção foi iniciada tendo apenas um Plano de Controle Ambiental (PCA), “que sequer de longe atende às exigências próprias de um Estudo de Impacto Ambiental”.

A assessoria de imprensa da Prefeitura disse que não comentaria a ação de Oscar Costa Filho. (colaborou Marcos Robério)
 O POVO

segunda-feira, 29 de julho de 2013

O legado que o Papa Francisco deixou aos povos do Brasil e do mundo

Arte - Cavalcante Neto

Enquanto a população de Baturité viveu momentos aterrorizantes completamente á mercê e entregue a própria sorte, Estado mantém forte aparato de segurança durante a realização de micareta


A população de Baturité deu o recado; a maioria da classe política da região fez pouco caso


A HERÓICA LUTA DAQUELES QUE QUEREM SALVAR O PARQUE DO COCÓ: Grupo promete se amarrar às árvores caso haja tentativa de expulsão


Os ativistas que seguem acampados no Cocó afirmam que permanecerão no parque, mesmo que a Guarda Municipal e a Polícia Militar tentem expulsá-los do local. Os manifestantes cogitam até mesmo se amarrar às arvores. 

Para evitar o confronto, o grupo convoca a população de Fortaleza para manifestações no trecho onde os viadutos serão construídos, no encontro das avenidas Engenheiro Santana Junior e Antônio Sales. Eles dizem que só devem sair quando o projeto for alterado pelo prefeito Roberto Cláudio (PSB), evitando a derrubada da mata do parque.

Uma das lideranças do grupo, Rosa da Fonseca – integrante do movimento Crítica Radical -, explica que o rumo das manifestações ainda não está definido. “Elas vão acontecer dependendo de como as coisas vão andar nos próximos dias”, disse. Inicialmente, está marcado para amanhã à tarde um protesto em frente ao Paço Municipal, sede da Prefeitura.

Rosa também explica que são realizadas atividades durante o acampamento para fortalecer a manifestação. Ontem foi realizado debate sobre os pontos negativos das obras e as alternativas que podem ser adotadas. O evento contou com a participação dos professores da Universidade Federal do Ceará (UFC) Jeovah Meireles, do curso de Geografia, e José Sales, do curso de Arquitetura, ambos contrários à construção dos viadutos no local. 
(O POVO Online)

A INDÚSTRIA DA SECA CONTINUA VIVA MAIS DO QUE NUNCA: ESTIAGEM - Doações para vítimas da seca sofrem redução

As últimas chuvas registradas no Estado não foram suficientes para melhorar a situação dos municípios
Embora tenham aliviado, ainda que de forma sutil, a intensa estiagem que atinge quase todos os municípios cearenses, as recentes chuvas registradas no Estado nas últimas semanas não foram suficientes para ajudar dezenas de cidades afetadas por crises no abastecimento de água e de alimentos. Há cerca de um ano, grande parte das localidades em estado de emergência depende basicamente das doações arrecadadas em campanhas promovidas pelos órgãos de defesa social. No entanto, apesar de a demanda continuar crescendo, as contribuições têm diminuído.










A Defesa Civil tem mais de 70 pedidos de cestas básicas em espera e apenas 200 kg de alimentos em estoque. A fonte de subsistência de alguns municípios cearenses no momento tem sido as doações Foto: Antônio Carlos Alves

Segundo a Defesa Civil do Ceará, a Força Solidária, mobilização promovida pelo órgão em parceria com o Corpo de Bombeiros, teve seu auge no início de 2013, quando o Revéillon da Solidariedade no Aterro da Praia de Iracema incentivou a colaboração da população com mantimentos. Mas, desde então, as doações foram reduzidas progressivamente e, ao longo de seis meses, tiveram uma queda de aproximadamente 90%.

Enquanto isso, no momento, a Defesa Civil possui mais de 70 solicitações de cestas básicas em espera e apenas 200 kg de alimentos em estoque. Os pedidos foram feitos por municípios cuja principal e talvez única fonte de subsistência no momento são as coletas.

No Estado, pelo menos 20 mil cestas são requisitadas e, conforme Ioneide Araújo, assessora técnica do órgão, novas demandas chegam todos os dias.

"As chuvas dos últimos dias fizeram as pessoas pensarem que a situação no Interior está resolvida, mas a demanda reprimida de alimentos continua. Não tivemos recarga significativa dos mananciais hídricos e registramos muitas perdas de safra. Como o abastecimento dessas cidades depende das campanhas, só podemos atender se as doações voltarem", destaca.

A maior preocupação da Defesa Civil é o fato de que a seca tende a se intensificar nos próximos meses. De acordo com a Fundação Cearense de Meteorologia (Funceme), as precipitações vistas recentemente não são comuns e devem cessar ainda na primeira quinzena de agosto. "Vamos começar o período mais difícil agora, por isso precisamos que as pessoas colaborarem e exercitem a solidariedade", pontua Ioneide.

Apesar da queda nas doações, a assessora técnica destaca que a campanha já conseguiu auxiliar muitas pessoas neste ano. Até o último mês de maio, foram angariados mais de 178 mil kg de alimentos e 196 mil litros de água. A população já recebeu 11 mil cestas básicas e 147mil litros do recurso hídrico.

Auxílio
Ademar Holanda, membro permanente da Secretaria de Desenvolvimento Agrário no Comitê Integrado de Combate à Seca, afirma que, na falta de arrecadações, as famílias carentes têm contado com o auxílio de programas de transferência de renda, como o Bolsa Estiagem e o Seguro Safra.

"Embora não seja muita coisa, cada família recebe no mínimo dois desses benefícios. Não deixa de haver necessidade, mas é um complemento aos programas produtivos", destaca. Estes, conforme Holanda, são ações prioritárias, que fornecem recursos para que a população do Interior possa recuperar plantações e obter o sustento novamente.

69 açudes com volume inferior a 30%
A estiagem de 2013 tem deixado suas maiores marcas nas perdas de safras e no abastecimento de água no Interior do Estado. Segundo a Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos (Cogerh), ao menos 69 açudes estão com volume inferior a 30% do total e apenas dois possuem mais de 90% de água acumulada.

Com isso, 35 municípios sofrem com crises de abastecimento e, destes, três estão em situação crítica: Milhã, Crateús e Tauá. Nesses casos, a Cogerh informou que, desde maio, estão sendo desenvolvidas ações como a construção de adutoras emergenciais, que ligam as cidades onde há falta de água a outras localidades que tenham recurso suficiente para dividir.

Conforme Ademar Holanda, do Comitê de Combate à Seca, outra medida para tentar atenuar a situação de falta de água é a implantação de cerca de 100 mil cisternas até o fim do ano.

Até que o período de estiagem extrema passe, Holanda ressalta que cerca de 800 carros-pipa continuarão a fazer o abastecimento de água nos municípios mais prejudicados. Ele também ressalta que 90% das 64 mil cisternas entregues no Estado no mês de maio ficaram cheias após as chuvas de junho e julho, o que contribuirá para amenizar os efeitos da estiagem. No entanto, ele diz que o cenário ainda é de alerta. "Antecipamos algumas ações, mas agora precisamos acelerar a execução dos programas".
SAIBA MAIS:
Onde Doar
1. Agências do Banco do Brasil
2. Agências dos Correios
3. Shopping Iguatemi (entre as lojas Parente e Insinuante)
4. Quartéis do Corpo de Bombeiros
5. Defesa Civil do Ceará (doações acima de 100kg)
DIÁRIO DO NORDESTE

No que depender do Papa Francisco o povo continuará ocupando as ruas


INTERIOR DO ESTADO DO CEARÁ ENTREGUE À PRÓPRIA SORTE: Assaltantes explodem agência bancária de Baturité




FOTOS - FM SÃO MIGUEL...



Pelo menos 20 homens armados com fuzis e coletes invadiram o local.Quantia levada pelo grupo ainda não foi revelada. O grupo segue foragido.



Um grupo explodiu, na madrugada desta segunda-feira (29), caixas eletrônicos de uma agência bancária de Baturité, a 93 km de Fortaleza. Segundo a Delegacia Municipal da cidade (9° Região), pelo menos 20 homens armados e usando coletes invadiram o local. A explosão danificou todo o prédio.

De acordo com o o supervisor do Comando do Policiamento da Capital (CPC), major Teófilo Gomes, a ação dos suspeitos foi devastadora e, por sorte, ninguém ficou ferido. "Eles usaram muito explosivos. A força foi tão grande que destruiu toda a agência. O prédio está todo comprometido e uma equipe da polícia e Corpo de Bombeiros estão no local isolando a área", afirmou o major Teófilo Gomes.
Uma equipe do Comando de Policiamento do Ronda do Quarteirão e patrulhas do BPChoque e do Policiamento Ostensivo Geral (POG) foram chamadas com o objetivo de perseguir os assaltantes. A quantia levada pelo grupo ainda não foi revelada. O grupo segue foragido.
DO PORAL G1

domingo, 28 de julho de 2013

Papa incentiva jovens a saírem às ruas: 'Jesus não ficou no casulo'



O papa Francisco deu início, na noite desse sábado, à vigília que marca a parte final da Jornada Mundial da Juventude, para um público estimado em 3 milhões de pessoas, segundo a prefeitura do Rio de Janeiro. Em seu discurso, o Papa fez referência a manifestações que acontecem em todo o mundo por melhorias na sociedade.

Francisco conclamou os jovens a serem protagonistas na construção de um mundo melhor. Ressaltou que todos devem sair às ruas para buscar melhorias, e lembrou que Jesus Cristo não ficou em um "casulo". "Não permitam que outros sejam protagonistas da mudança. Vocês têm na mão o futuro. Ele vai chegar pelas mãos de vocês. Continuem superando a apatia, dando uma resposta cristã à inquietações sociais e políticas. Se envolvam num trabalho para um mundo melhor. Se metam, saiam para a vida, saiam às ruas. Jesus não ficou preso em um casulo", declarou. 

Qual sua opinião sobre o assunto?

Fonte: Terra
Com Anonymous Brasil

Protestar é uma das formas mais conscientes de se reivindicar direitos e em hipótese alguma pode ser encarada como crime; em síntese são tentativas de instituições antidemocráticas em criminalizar os movimentos sociais e "abonar" as atrocidades cometidas pelos (des) governos e opressores presentes na sociedade...


VIOLÊNCIA EM ALTA - Segurança Pública: onde o Ceará errou

Poderia ter sido diferente


Não foi por falta de dinheiro ou de boas ideias que o Ceará não conseguiu frear a violência no Estado. Falhas na gestão de programas importantes e má articulação entre diferentes secretarias ajudam a explicar os índices negativos. Governo ainda promete melhorar...

Tem razão o governador Cid Gomes (PSB) quando diz que nunca se investiu tanto em segurança pública quanto na atual gestão. O investimento foi feito em todas as áreas, em quantias vistosas, que em tese deveriam ter modificado índices pavorosos de homicídios, roubos, tráfico de drogas. Mas, algo deu errado no caminho que o Executivo escolheu seguir. Alguns equívocos de concepção e falhas em projetos estratégicos travaram a diminuição do problema – que não apenas persiste como mostra sinais de agravamento.

Uma das possíveis origens do fracasso está justamente no projeto que havia sido pensado para provocar um salto de qualidade na segurança: o Ronda do Quarteirão. “A ideia de uma policia comunitária, que dialogava, que tinha uma função educativa, aos poucos foi se perdendo. Virou algo apenas ostensivo. Quando a polícia está integrada ao bairro, ela tem potencial de inteligência, consegue se antecipar ao crime. Mas, a fragilidade na formação dos soldados e na gestão do programa apareceu de forma dramática”, avalia a antropóloga Jânia Aquino, uma das organizadoras do livro Violências e dilemas civilizatórios: as práticas de punição e extermínio.

O grosso do investimento no Ronda foi destinado à compra de viaturas e equipamentos e ao aumento do efetivo para cobertura do Interior. Após episódios que expuseram falhas no treinamento dos policiais, o Governo aumentou a carga horária da formação. Até hoje, no entanto, a eficiência do programa é questionada.

Gestão
Outro erro crucial teria sido a falta de conexão entre as ações da Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) e outras pastas. “Os investimentos e ações desenvolvidos por meio de políticas sociais, profissionalizantes e educacionais não têm qualquer relação com as políticas da segurança e, quando têm, são pontuais, que não caracterizam continuidade”, explica a pesquisadora Glaucíria Mota, coordenadora do Laboratório de Direitos Humanos e Cidadania da Universidade Estadual do Ceará (Uece).


Na contramão do exemplo cearense, Pernambuco apostou em ferramentas de gestão e planejamento intersetorial. Lá, se conseguiu reduzir em mais de 30% o número de homicídios. Conforme explicou ao O POVO o secretário de Defesa Social de Pernambuco, Wilson Damázio, um comitê formado por seis câmaras, envolvendo diferentes secretarias, se reúne religiosamente a cada quinta-feira, para monitorar resultados, discutir estratégias conjuntas e corrigir equívocos. O comitê é presidido pelo secretário estadual de Planejamento, que tem a chave do cofre público e define o destino dos investimentos. Segundo Damázio, pelo menos uma vez por mês as reuniões são presididas pelo governador Eduardo Campos (PSB). Nas próximas páginas, O POVO mostra que outros caminhos poderiam ter sido trilhados em favor da segurança pública, e expõe, ainda, a disparidade entre os investimentos e resultados.
O POVO

sábado, 27 de julho de 2013

Baleada, agredida e acusada de formar quadrilha, militante diz que foi difamada pela mídia e teme represálias


Desde a noite do dia 17 de julho a geógrafa Carla Hirt, integrante do Comitê Popular Copa e Olimpíadas do Rio de Janeiro, vem vivendo um pesadelo.

Primeiro, foi atingida por dois tiros de balas de borracha durante manifestação na Zona Sul do Rio de Janeiro.

Depois, foi presa sob acusação de formação de quadrilha, apesar de desconhecer totalmente aqueles que foram presos junto com ela — supostamente integrantes da mesma quadrilha.

Em seguida, Carla foi autuada como se tivesse sido presa na rua Visconde de Pirajá, onde de fato aconteceram atos de vandalismo — quando, assegura, foi presa na rua Redentor, 294, diante de um prédio intacto, de fachada de vidro, onde ela e outros manifestantes se abrigaram justamente para evitar os tiros da polícia.

Finalmente, no dia 25, o jornal O Globo publicou uma reportagem ilustrada por uma foto que sugere que Carla e o marido dela, Igor, agente da ABIN – Agência Brasileira de Inteligência — teriam sido flagrados em atos de vandalismo.

Por Luiz Carlos Azenha - viomundo.com.br

É nas favelas que devemos servir a Cristo, diz papa Francisco na Catedral Metropolitana


Em missa para o clérigo na Catedral Metropolitana do Rio na manhã deste sábado (27), o papa Francisco criticou os "dogmas modernos" da eficiência e do pragmatismo e exortou seus sacerdotes a priorizar a favela.
"Não há lugar para o idoso, nem para o filho indesejado; não há tempo para se deter com o pobre caído à margem da estrada. Às vezes parece que, para alguns, as relações humanas sejam regidas por dois dogmas modernos: eficiência e pragmatismo", disse Francisco.

Dirigindo-se aos religiosos, Francisco pediu-lhes que "tenham a coragem de ir contra a corrente" e de promover a "cultura do encontro".
O pontífice voltou a defender que a Igreja Católica busque a "periferia": "Decididamente pensemos a pastoral a partir da periferia, daqueles que estão mais afastados, daqueles que habitualmente não frequentam a paróquia.
Ao pregar maior atenção aos mais pobres, Francisco citou uma frase da indiana Madre Teresa de Calcutá (1910-1997), conhecida pelo trabalho social. "É nas favelas que nós devemos ir procurar e servir a Cristo. Devemos ir até eles como o sacerdote se aproxima do altar, cheio de alegria."

FOLHA

Grupo acampado no Parque do Cocó denuncia ameaças

Grupo permanece acampado no Parque do Cocó dois dias depois da Justiça ter derrubado a liminar que suspendia a construção dos viadutos na área.
Integrantes do movimento em defesa do Parque do Cocó que estão acampados em área do Parque onde serão construídos viadutos denunciam ameaças que vêm recebendo durante todo o período do acampamento. Segundo o grupo, houve ameaças de desalojo por parte da Prefeitura e agressões contra as pessoas que acampam no Parque. Na madrugada da última quinta-feira, 25, dois integrantes do acampamento, Herlânio Silva e Vitor Hugo, foram feridos por pedras atiradas de uma Hylux desconhecida. "A pedra de calçamento atingiu a minha perna esquerda, o outro foi atingido na perna direita. A cada madrugada tem uma novidade", disse Herlânio ao O POVO Online. 

Em um vídeo publicado ontem no Youtube por um dos integrantes, homens da Guarda Municipal de Fortaleza (GMF) fazem ameaças ao grupo. “Vocês podem ter a garantia de que nós, nenhum de nós aqui hoje vai agredir nenhum de vocês. Amanhã eu não sei...”, diz o policial no vídeo.

Apesar do clima de insegurança, o grupo decidiu permanecer acampado no Parque. A decisão foi tomada na noite da última sexta-feira, 26, durante reunião para avaliar a situação do acampamento. A reunião ocorreu após decisão da Superintendência de Patrimônio da União (SPU), que liberou a obra para construção de viadutos no trecho. Anteriormente já havia caído uma liminar do juiz Francisco Chagas Barreto, da 2ª Vara da Fazenda Pública, que embargava a obra. A liminar foi fruto de ação popular movida pelo advogado Rogério Araújo.

Apesar das duas decisões e das declarações do prefeito Roberto Cláudio (PSB) de que pretende retomar de imediato a construção dos viadutos, os integrantes do acampamento decidiram permanecer no local, fazendo um chamamento à população para participar de debates, assinar o abaixo-assinado contra a construção dos viadutos e tomar parte na mobilização. Durante esse fim de semana ocorrerá programação aberta ao público no acampamento.

POLÊMICA
Acadêmicos e técnicos têm opinião contrária a construção dos viadutos, o dano ambiental e os impactos urbanísticos negativos que seriam causados pelos mesmos. Exemplos são os professores dos cursos de Arquitetura e Geografia UFC, Clarice Sampaio Freitas, José Sales e Jeovah Meireles, que por diversas vezes já contestaram a construção dos viadutos e apresentaram soluções alternativas aos mesmos. 

Este inquérito foi instaurado com base em laudo do Ibama, que conforme o MPF, comprova a prática de crime ambiental.

Também o MPE ingressou com ação contra a continuidade da obra e há uma ação anterior do MPF pela preservação do Parque como um todo. Ainda não há decisão sobre estas duas ações.

Os integrantes do movimento também vão apresentar recurso à decisão do presidente do TJ-CE que sustou a liminar que embargava a obra. Eles querem uma audiência com o prefeito Roberto Cláudio para discutir a construção dos viadutos.

Programação no acampamento:
Sábado, 27
Realização de pedágio e mobilização para reforçar o acampamento
Exibição de vídeos e debates
Domingo, 28 – Domingada no Parque
8h - Piquenique com a criançada - malabares, trilha, oficina de máscaras, pipas, contação de histórias etc
18h – Obra do Cocó - Debate sobre mobilidade urbana, impactos ambientais e alternativas – Jeovah Meireles, José Sales, acampados e movimentos sociais
Segunda-feira, 29 – Mobilização e atividades
Terça-feira, 30 - Manifestação no Paço Municipal e Palácio da Abolição com concentração às 14h no Passeio Público
O POVO

PREFEITURAS MUNICIPAIS: Funcionalismo protesta contra atraso no pagamento salarial

Contratos considerados elevados estariam onerando os cofres públicos. Aprece recomenda austeridade
Madalena. Contratações consideradas milionárias estão provocando uma onda de protestos de servidores públicos no Interior do Ceará. Conforme sindicatos da categoria, os perfeitos estão gastando os recursos repassados pelos governos Estadual e Federal com serviços superfaturados, provocando o atraso de dois meses no pagamento dos trabalhadores municipais.














Locação de transporte escolar é um dos principais acumuladores de gastos
FOTO: MELQUÍADES JÚNIOR


É o que se denuncia em cidades como Madalena, de acordo com o presidente do Sindicato dos Servidores Municipais de Madalena (Sinsemad), Rinaldo Barros. Ele e um grupo de 200 professores, auxiliares administrativos e de outras áreas ocuparam o Centro Administrativo da Prefeitura na última quinta-feira. Só saíram quando o prefeito Zarlul Kalil Filho se comprometeu a pagar parte do salário atrasado no primeiro dia de agosto e o restante no dia 12.

Ainda de acordo com o líder Rinaldo, caso a promessa do gestor municipal não seja cumprida a classe vai se manifestar novamente, dessa vez na Câmara de Vereadores, na primeira sessão após o recesso.

O valor da dívida do salário atrasado é estimado em R$ 900 mil. Somente com assessores jurídicos e administrativos o município gasta R$ 1,6 milhão. Além desse problema, o Sinsemad está preocupado com as contratações dos serviços de coleta de lixo, assessoria administrativa e, até, o aluguel de carros de luxo e para o transporte escolar. "Os serviços continuam os mesmos, mas o desembolso dos cofres do município praticamente triplicou", reclama o líder classista.

Dívidas
Os gastos milionários estão afetando, inclusive, o comércio da cidade. Segundo a comerciante e vereadora Sonia Costa, no primeiro semestre deste ano as vendas caíram em média 50%. Além de endividados, sem definição de calendário de pagamento e atrasos, os servidores estão descontrolando as finanças domésticas e perdendo crédito na praça.

"Caso o município não enxugue as contas, o colapso será geral", teme a comerciante. "A reclamação do setor é geral", garante.

No papel de parlamentar municipal, oposicionista, Sonia Costa afirma não se tratar de retaliação política e critica: "o município contratou assessores ´forasteiros´, com salários elevados. Como moram em outras cidades, passam apenas a semana em Madalena e vão embora". Não teriam nenhum vínculo com a Região. Juntamente com o vereador José Nunes, ela fez o levantamento dos contratos. Pelos cálculos, houve acréscimo de 400% no valor dos serviços. Ela considera os reajustes dos gastos um absurdo. "O professores tiveram apenas 7,97% de correção e mesmo assim continuam com os salários atrasados", ressaltou.

Em seu primeiro mandato legislativo, a comerciante vereadora pretende, juntamente com seu único aliado na Câmara, José Nunes, solicitar a abertura de uma CPI, para apurar as contratações de custos elevados, principalmente a relativa a coleta de lixo. A luta será difícil, afinal, serão dois contra nove aliados do Governo Municipal.

Procuradoria

Mesmo não havendo aprovação da CPI, pretendem insistir na apuração do caso. As denúncias foram encaminhadas, no início da semana, à Procuradoria dos Crimes contra a Administração Pública (Procap). A reportagem tentou manter contato telefônico com o prefeito Zarlul Filho, todavia, até o fechamento desta edição as ligações não foram atendidas. O chefe de gabinete Lucas Menescal e assessores da Procuradoria do Município não se manifestaram a respeito. Segundo eles, o próprio prefeito prestaria os esclarecimentos necessários.

Sobre a situação nos outros municípios cearenses, o vice-presidente da Federação dos Servidores Públicos Municipais do Estado do Ceará (Fetamce), Walter Saraiva, disse, ainda, não ter um diagnóstico, após o fechamento do primeiro semestre. A Fetamce ainda está realizado assembleias pelo interior. Ontem, foi a vez de Cariús.

Austeridade

A presidente da Associação dos Municípios do Estado do Ceará (Aprece), Adriana Pinheiro, disse não ter sido ainda cientificada de nenhum caso envolvendo gastos excessivos nos municípios associados, todavia, a frente da Aprece garante que tem recomendado aos prefeitos controlarem seus gastos.

Apesar de a Aprece estar lutando pela reposição dos cortes do Fundo de Participação dos Municípios (FPM), vetado pela presidente Dilma Roussef, é preciso controlar as finanças públicas. Os prefeitos devem se concentrar principalmente nos serviços básicos, dentre eles a saúde e a educação. "No caso do meu município, Fortim, a prefeitura está recebendo R$ 446 mil a menos. Fomos obrigados a ser ainda mais austeros", acrescentou.

Mais informações

Aprece
Av. Oliveira Paiva, 2.621
Seis Bocas - Fortaleza
Telefone: (85) 4006.4000
http://www.aprece.org.br/

Professores deflagram greve

Cariús.
 Os professores da rede municipal de ensino desta cidade, localizada na região Centro-Sul do Ceará, decidiram, ontem, em assembleia geral da categoria, não retornar às salas de aula, na próxima semana, até que a administração municipal efetue o pagamento dos salários atrasados. O clima entre os docentes é de revolta. Com a decisão da categoria, mais de quatro mil alunos ficarão sem aula.

A reunião para debater o atraso no pagamento dos salários dos docentes durou mais de duas horas e foi realizada no Sindicato dos Servidores Municipais de Cariús. Os docentes decidiram por parar as atividades fotos: Honório Barbosa

A reunião para debater o atraso no pagamento dos salários dos docentes durou mais de duas horas e foi realizada no Sindicato dos Servidores Municipais de Cariús. Centenas de professores participaram do encontro. Os vereadores Clébio de Ribinha e Veroneide Ferreira foram solidários à categoria.

De acordo com o Sindicato dos Servidores Municipais de Cariús, todos os professores não receberam um terço de férias e a diferença do piso salarial. Os docentes contratados estão com salário atrasado desde maio passado e os concursados não receberam o mês junho.

"A nossa situação é de dificuldade, pois dependemos dos vencimentos para o pagamento de nossas despesas, como aluguel, mercantil e outras necessidades", disse a professora, Eudilene Silva.

De acordo com a secretária de Finanças do Município, Maria do Carmo Oliveira, que participou da assembleia, só havia disponível até 30 de junho passado, na conta do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb), R$ 548 mil e atualmente esse valor caiu para R$ 44 mil. Ela, entretanto, não explicou o porquê do atraso salarial e a aplicação dos recursos.

O presidente do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Cariús, Widerlando Barbosa Gomes, considerou a situação grave. "Vamos formar uma audiência e tentar conversar com o secretário de Educação, Francisco José, e com o prefeito, Gilvan Oliveira, na próxima quarta-feira", disse. "Queremos encontrar uma solução para esse impasse".

O representante da Federação dos Trabalhadores no Ceará, Válter Saraiva, lembrou que no município de Quixelô, a administração em abril passado fez uma reforma e reduziu despesas com cargo comissionados para manter o pagamento dos servidores em dia. "Cariús pode seguir esse exemplo de Quixelô", frisou. "Não se pode aceitar é o atraso salarial e a falta de compromisso com os funcionários".

Desde maio que o sindicato tenta manter diálogo com o prefeito, Gilvan Oliveira. "Infelizmente não obtivemos resposta, não fomos recebidos para negociação e a administração também não respondeu nenhum dos nossos ofícios", disse.

Durante a assembleia, houve pronunciamentos de moradores que fizeram duras críticas contra a administração ante a falta de realizações e a precariedade de infraestrutura das escolas, das unidades de saúde e do transporte escolar.

Pais
Os pais dos alunos também são solidários ao momento de dificuldade enfrentado pelos professores municipais. "A gente sente as dificuldades que os docentes estão atravessando e aqui em Cariús a situação é crítica", observou Edvaldo Ribeiro. "Não sabemos em que os recursos do Fundo de Participação dos Municípios são aplicados".

DIÁRIO DO NORDESTE