ABAS

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

'Financial Times' descreve Tiririca como 'palhaço que perdeu o sorriso'


Segundo jornal britânico, deputado não pretende tentar a reeleição.
Correspondente acompanhou rotina do parlamentar em Brasília...



Deputado federal campeão de votos, o palhaço Tiririca (PR-SP) estampou nesta terça-feira (26) a página principal da versão online do jornal britânico “Financial Times”, um dos periódicos mais prestigiados do mundo.
Intitulada de “Palhaço político do Brasil perde seu sorriso”, a reportagem resgata a trajetória do humorista brasileiro e sua imersão no cenário político, nos últimos dois anos.
Segundo a publicação, Tiririca se decepcionou com a política e, desde que foi eleito, “perdeu seu sorriso”.
O palhaço que virou deputado, em 2010, com 1,3 milhão de votos afirmou ao diário inglês que não pretende disputar a reeleição no ano que vem.
O texto destaca que ele se elegeu para o Congresso beneficiado por votos de protesto dos eleitores de São Paulo. O site do jornal relembra que os slogans da campanha eleitoral do comediante “deliberadamente” satirizavam a política brasileira.

No mais famoso deles, Tiririca confessava que não sabia o que fazia um deputado, porém, dizia que se votassem nele ele iria descobrir e contaria aos eleitores.

“Você passa dias inteiros fazendo nada, só aguardando para votar alguma coisa enquanto as pessoas discutem e discutem”, ressaltou o palhaço.
O correspondente do “Financial Times” que redigiu o texto acompanhou a rotina do parlamentar em Brasília. Segundo o relato, para se entrar no gabinete de Tiririca na Câmara dos Deputados é preciso transpor uma multidão de pessoas que se aglomeram na porta de entrada do recinto. 

“Há dias em que nós temos de chamar os seguranças para nos ajudar a deixar o gabinete”, contou Tiririca à publicação nglesa. Ele também disse ao jornal que todos os dias cerca de 150 fãs ingressam no Congresso apenas para fazer fotos ao lado dele.

G1

Câmara votará a reforma política nos dias 9 e 10 de abril



Rodolfo Stuckert

Fontana (D) em reunião com Alves: proposta será votada de qualquer maneira.

O presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves, confirmou, nesta quinta-feira (28), a votação da reforma política pelo Plenário nos dias 9 e 10 de abril. Segundo o deputado Henrique Fontana (PT-RS), relator da proposta, o presidente garantiu que o assunto será votado de qualquer maneira.

Os pontos que serão colocados em votação são:
§  financiamento público exclusivo de campanha;
§  fim das coligações, porém permitindo que os partidos façam federações partidárias que durariam, no mínimo, quatro anos
§  coincidência temporal das eleições (municipais, estaduais e federais);
§  ampliação da participação da sociedade na apresentação de projetos de iniciativa popular, inclusive por meio da internet. Pela medida, 500 mil assinaturas garantiriam a apresentação de um projeto de lei; e 1,5 milhão, de proposta de emenda à Constituição (PEC);
§  nova opção de lista flexível, em que o eleitor continuaria votando no deputado ou no partido, mas só o voto na legenda é que reforçaria a lista apresentada pelo partido.
Críticas ao modelo atual
Fontana declarou ser um defensor ferrenho do financiamento público de campanha. O financiamento privado, argumentou ele, gera corrupção e está pautado pelo dinheiro. “O pior dos mundos é continuar com o sistema político atual”, disse o parlamentar, ao deixar a reunião com o presidente da Câmara.
Quanto à formação de federações partidárias com um período mínimo de validade, Fontana afirmou que a medida dará mais “nitidez” aos projetos dos partidos.
Já as listas flexíveis garantiriam ao eleitor “o poder para decidir o resultado das eleições”. Na opinião do relator, outros sistemas já discutidos, como o voto distrital e a lista fechada, não teriam apoio suficiente do Plenário para aprovação.
Reportagem - Noéli Nobre
Edição - Marcelo Oliveira

Câmara Notícias


JÁ VEM TARDE: Assembleia do Ceará pode acabar com 14º e 15º salários de deputados estaduais


Assembleia do Ceará pode acabar com 14º e 15º salários de deputados estaduais. Foto: AL
Assembleia do Ceará pode acabar com 14º e 15º salários de deputados estaduais. Foto: AL

O presidente da Assembleia Legislativa disse, na manhã desta quinta-feira (28), que, assim como aconteceu com os deputados federais, os parlamentares estaduais do Ceará devem perder o direito de receber o 14º e o 15º salários.
José Albuquerque informou que vai reunir a Mesa Diretora da Casa e o colégio de líderes na próxima quarta-feira (06) para discutir o assunto e assinar a alteração do Regimento Interno da AL determinando que os deputados não recebam mais os salários extras.
Escada

Quando o salários dos deputados federais sobe, o reflexo por aqui é quase imediato. Isso é o que os parlamentares chamam de efeito escada. Isso porque os parlamentares estaduais tem o direito receber até 75% de tudo o que os deputados federais ganham . Agora com a redução dos salários em Brasília, os estaduais também devem perder a verba extra. O presidente da AL justificou que “como eles [os deputados federais] não vão mais receber, automaticamente cairá aqui também”.
No bolso

Hoje o salário dos deputados estaduais é de R$ 20.042,35. Além disso, eles recebe a VDP (Verba de Desempenho Parlamentar) de R$ 22 mil, e a verba para contratação de assessores, de R$ 58 mil. Com o fim do 14° e 15° salários, a Assembleia pode economizar cerca de R$ 1,8 milhão por ano.
Blog Política com K - Kézya Diniz

TCU cobra transparência nas gestões municipais


Ministro entende que administradores públicos têm muito o que avançar no cumprimento da Lei de Acesso à Informação...


O presidente do Tribunal de Contas da União (TCU), ministro Augusto Nardes, cobrou mais transparência dos prefeitos na divulgação das informações sobre suas gestões. O ministro falou ontem, durante abertura do XI Congresso Catarinense de Municípios, em Florianópolis. 

A uma plateia de prefeitos catarinenses, o ministro destacou a importância do cumprimento da Lei de Acesso à Informação. 

— Acho que pouco a pouco o desenvolvimento dessa cultura da transparência começa a se consolidar. Como a lei é nova, tem um ano, entendo que ainda não haja uma consciência. 

Nardes enfatizou, também, a necessidade de prestação de contas e a importância das prefeituras terem planejamentos estratégicos das ações a longo prazo. Esse é um dos temas centrais do congresso, que ocorre até amanhã e vai abordar também a integração governamental e inovação de modelos de gestão. 

Diário Catarinense

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

CORRUPÇÃO NO BRASIL, A SOLUÇÃO POSSÍVEL


A pedido de um amigo e leitor de nosso blog, segue a seguinte postagem...




O desvio de dinheiro público para favorecimento pessoal é uma prática corriqueira em nosso país. Todos os dias os jornais relatam casos de fraudes em licitação, obras superfaturadas, notas fiscais falsas, entre tantos outros exemplos de mau uso do dinheiro público.
O dinheiro dos tributos, que deveria ser usado em benefício da coletividade, serve para alimentar os bolsos de políticos corruptos e seus sequazes.
Não adianta ter esperança de que um dia isso mudará, de que um dia o brasileiro deixará de ser corrupto. Não, não mudará. A busca pelo ganho fácil e a desonestidade fazem parte do caráter nacional. Esse negócio de que a mudança depende de nós, com o nosso voto, é balela. Quem botarmos lá agirá da mesma forma se tiver oportunidade. Muitos políticos considerados honestos já foram flagrados em irregularidades.
A solução passa por controle e fiscalização, das eleições ao exercício do cargo. Nas eleições, deveria ser mínima a participação de entes privados, sobretudo no financiamento de campanhas. Grandes empresários e empreiteiros bancam campanhas eleitorais com o fim de se locupletarem durante o governo. Todo mundo sabe disse. Uma reforma eleitoral poderia coibir essa prática.
No exercício do cargo, os órgãos de fiscalização, como os TCEs e o TCU, deveriam ser mais eficientes e com maior poder de punição. Atualmente, fingem que fiscalizam.
 A Constituição Federal também prevê que o Legislativo exercerá a função de controle do Executivo, mas isso só existe em raríssimos casos, e somente quando a oposição é maioria.  
Diante da fragilidade dos sistemas de fiscalização e controle, o político consegue facilmente se locupletar do dinheiro público.
Raramente vemos casos de desvios de dinheiro em empresas privadas. É quase impossível um gerente de uma grande empresa fazer riqueza desviando dinheiro da corporação. Quem aí já viu a imprensa noticiar que um gerente daCoca-cola, Lojas Americanas, Carrefour etc foi preso após desviar milhões da empresa? Não, não vemos notícias assim, pois o sistema de controle e fiscalização é eficiente. Por que então não adotar no sistema público?
Enquanto o poder público não conseguir otimizar os sistemas de fiscalização e controle, sempre veremos casos de corrupção na imprensa. Está no sangue do brasileiro.
TEXTO DO BLOG  http://www.tiocolorau.com.br

FHC ataca PT, Lula e Dilma e ofusca Aécio


Foto: Alessandro Carvalho / PSDB-MG / Divulgação


A vinte meses das eleições presidenciais, começou a guerra da sucessão de 2014, com tiro para tudo quanto é lado, como se já estivéssemos na reta final da campanha.
Em seminário promovido pelo PSDB nesta segunda-feira em Belo Horizonte, para "discutir os rumos do partido" e turbinar a candidatura do senador Aécio Neves, quem roubou a cena e ganhou as manchetes foi o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.
A pretexto de responder às críticas feitas ao seu governo na festa dos 10 anos do PT no poder, FHC saiu de seus cuidados e despejou um caminhão de melancias no partido, em Lula e Dilma, dando o tom da campanha que nos espera.
"Eles tinham duas grandes metas, uma ligada ao socialismo e outra ligada à ética. Do socialismo nunca mais ninguém falou. E de ética? Meu Deus, não sou eu quem vai falar sobre o que está acontecendo", disparou o ex-presidente.
Aos 81 anos, depois de ser esquecido pelas campanhas presidenciais de José Serra e Geraldo Alckmin, FHC voltou com a corda toda. Chamou a presidente Dilma Rousseff de "ingrata" por ter afirmado no evento do PT que não herdou nada do governo tucano. "O que a gente pode fazer quando a pessoa é ingrata? Nada. Cospe no prato em que comeu. Meu Deus!"
Duas referências a Deus no mesmo discurso, o que não é habitual, podem dar uma pista sobre as dificuldades que o principal líder do PSDB está encontrando para unir o seu partido e fazer desencalhar a campanha de Aécio Neves, o ex-governador mineiro lançado por FHC ainda em 2012, e  que até agora reluta em se assumir candidato.
Por falta de alternativa, FHC resolveu jogar todas as suas fichas em Aécio Neves _ e vice-versa _ transformando-se no principal cabo eleitoral do senador mineiro. Ao final da sua fala em Belo Horizonte, o ex-presidente procurou deixá-lo mais animado:
"Vamos percorrer o Brasil, senador. Vamos plantar a semente do PSDB, a semente da vitória. Nós vamos ganhar!".
Claro que se trata mais de entusiasmo de torcedor do que previsão de cientista político, mas o fato é que o ex-presidente se empolgou tanto que Aécio acabou sendo ofuscado e virou coadjuvante no evento em que deveria se apresentar como a nova estrela dos tucanos.
Nova é modo de falar, já que o ex-presidente propôs como estratégia de campanha para 2014 levantar a bandeira da ética, o que já não deu certo em 2006 e 2010. Até o redator do discurso de Aécio Neves na semana passada sobre "os 13 fracassos do PT" é o mesmo jornalista que escrevia os textos para José Serra nas suas duas derrotas em campanhas presidenciais.
O problema é que Aécio prometeu anunciar "um projeto para os próximos 20 anos no Brasil", mas não conseguiu até agora elaborar e apresentar nenhuma proposta nova. Tanto Aécio quanto FHC se limitaram a atacar seus tradicionais adversários petistas.
Do jeito que as coisas vão indo, o clima da campanha de 2014 poderá ser uma repetição daquelas de 1994 e 1998, em que FHC e Lula se enfrentaram diretamente, com vitórias do tucano no primeiro turno.
Nestes quase vinte anos, porém, foram grandes as mudanças no quadro político nacional. Para começar, Lula deixou o governo com mais de 80% de aprovação popular, enquanto FHC saiu do Palácio do Planalto com menos de 20%.
Lula elegeu sua sucessora, Dilma Rousseff, agora franca favorita à reeleição, a bordo de uma aliança de mais de 10 partidos, o que lhe garante metade de todo o tempo na propaganda eleitoral na televisão.
FHC, por sua vez, que perdeu as últimas três eleições presidenciais em que os candidatos tucanos o esconderam nas campanhas, quer resgatar o legado do seu governo.
Por isso, agora transformados em grandes cabos eleitorais, os ex-presidentes assumem a ofensiva em mais uma guerra entre petistas e tucanos, o Fla-Flu de sempre.
A próxima batalha está marcada para quinta-feira, em Fortaleza, onde o ex-presidente Lula dará início a um road-show pelo país para comemorar os 10 anos do PT no poder e garantir a fidelidade da base aliada para a reeleição de Dilma Rousseff.
Do Balaio do Kotscho

Tiririca usa plenário para lançar CD

FotoTIRIRICA EXIBE CAPA DE CD - Iano Andrade/CB

O deputado Tiririca (PR-SP) usou o plenário da Câmara nesta quarta-feira (27) para divulgar seu novo CD. A foto acima mostra o parlamentar segurando o álbum “Tiririca direto de Brasília”, que tem 13 músicas do humorista. Durante o lançamento, Tiririca cantou e dançou para o os colegas algumas músicas do novo trabalho. Em uma delas, o parlamentar reclama da época em que foi acusado de analfabeto e quase perdeu o direito de tomar posse. “Eu estou no poder, todo mundo está vendo, estou no poder e agora estou podendo”, diz o refrão da música. “Me criticaram bastante, disseram que eu não sabia ler, fizeram muitas fofocas que eu não sabia escrever. Fiz o teste, passei e todo mundo viu e os que me criticaram, vão pra...”, completa.

Claudio Humberto

Japonesa é a mulher mais velha do mundo



A japonesa Misao Okawa, de 114 anos, foi  reconhecida oficialmente pelo «Guinness World Records» como a mulher mais velha do mundo, informou o jornal local Yomiuri.



A japonesa Misao Okawa, de 114 anos, moradora de uma casa de repouso em Osaka, foi reconhecida pelo "Guinnes world records" ("Livro dos recordes") como a mulher mais velha do mundo, informou a agência de notícias Kyodo. O certificado que oficializa sua distinção foi entregue nesta quarta-feira.
Okawa nasceu em 5 de março de 1898 e tem três filhos, dois dos quais, ambos nonagenários, estão vivos. A idosa tem quatro netos e seis bisnetos.
- Eu vivi tanto tempo? É estranho - disse a anciã depois de ser notificada do reconhecimento do Guinness.
Ela nunca sofreu de doenças graves e garantiu que o segredo de sua longevidade é manter uma dieta saudável.

http://extra.globo.com

Cid Gomes afirma que ele e irmão podem deixar o PSB se houver uma ‘decisão não democrática’



O governador do Ceará, Cid Gomes, uma das poucas vozes no partido comandado por Eduardo Campos, PSB, que não apoia a tese de candidatura própria para a disputa presidencial, recebeu nesta terça-feira muitos afagos da presidente Dilma Rousseff, que teme a saída do partido da base aliada e um enfrentamento com o governador pernambucano em 2014. Recebido em audiência no Palácio do Planalto, que durou cerca de duas horas, Cid Gomes deixou Brasília com a promessa de visita da presidente no dia 21 de março para a inauguração de uma barragem; com sinal verde para tocar a construção de uma refinaria de petróleo com parceiros estrangeiros e com a garantia que o Centro Olímpico do Nordeste será no Ceará.

O pacote de bondades do Palácio do Planalto é oferecido no momento em que Cid, como seu irmão Ciro Gomes, reafirma seu apoio à reeleição de Dilma e faz reiteradas críticas à possibilidade de candidatura presidencial de Eduardo Campos. O governo investe em um racha no PSB para tentar enfraquecer as pretensões eleitorais do pernambucano. Antes de ir para a audiência com a presidente Dilma, Cid Gomes disse ao GLOBO que ele e o irmão poderão deixar o PSB se houver uma “decisão não democrática” do partido em favor da candidatura própria, e sugeriu que se Eduardo Campos quer mesmo levar adiante seu projeto, o PSB tem que sair já do governo Dilma.

Fonte: Jornal O Globo

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

PT X PSDB querem o poder. Já combinaram com o povo?



Com o título “PT X PSDB: já combinaram com os russos?”, eis artigo do consultor político Aurízio Freitas. Usando frase do técnico Feola para o craque Garrincha, cria uma metáfora política que merece reflexões. Confira:


Recentemente, comentei para um amigo tucano que não sabia se ‘o Dirceu foi o Serjão de Lula ou se o Serjão foi o Dirceu de FHC’.
Serjão (Sérgio Motta), para quem não se lembra, foi coordenador da campanha de FHC em 1994, ministro das Comunicações e articulador no Congresso Nacional. Atribui-se a ele a famosa profecia, em meio ao êxito do Plano Real, de que o PSDB ficaria no poder por 20 anos. ‘Alter ego’ petista de Serjão, Dirceu pode já ter feito profecia similar.
Sergio Motta não viveu para ver o naufrágio de sua profecia. Faleceu em 1998, com forte infecção pulmonar. Descanse em paz.
Em meio a turbulências econômicas (crise russa, crise argentina, 11 de setembro e escândalo Enron/Arthur Andersen) FHC não emplacou seu sucessor. Contra Serra(PSDB), em 2002, três candidatos fortes: Lula (PT), Ciro (PPS) e Garotinho (PSB). Uma eleição de 2º turno. Então, fatalmente, os opositores se juntaram.
No dia que marcou as ‘comemorações’ de 10 anos de poder do PT, a ultima quarta-feira, 20 de fevereiro, a troca de farpas entre tucanos e petistas foi grande. O ex-presidente Lula lançou Dilma Rousseff à reeleição e atacou o PSDB; antes o senador Aécio Neves (PSDB-MG) foi à tribuna ‘detonar’ os governos petistas e defender o legado do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.
Herdeiros da luta contra o regime de exceção, tucanos e petistas parecem ter o mesmo ‘encanto’ e as mesmas aspirações de poder perpétuo. Em todo caso, antes de prognósticos eleitorais, convém lembrar a pergunta de Garrincha ao técnico Vicente Feola: já combinou com os russos?

* Aurizio Freitas
Consultor Político
Blog do Eliomar

Eduardo Campos diz que crítica de Ciro Gomes não reflete posição do PSB


O governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), disse que a opinião de Ciro não reflete a posição do PSB. O governador evitou polemizar com o ex-ministro Ciro Gomes (PSB), que disse ontem que Campos não teria "visão e estrada" para governar o Brasil.
"Isso é uma opinião que ele vem dando há algum tempo. Não é nenhuma novidade. Só que ontem ele falou em relação à Dilma (Rousseff), a Aécio (Neves), a Marina (Silva). Discordo da opinião dele, essa não é a opinião do partido", afirmou Campos.



Alan Marques - 14.jan.2013/Folhapress
Eduardo Campos, governador de Pernambuco
Eduardo Campos, governador de Pernambuco






















Em entrevista transmitida no sábado (23), na rádio "Verdes Mares", Ciro disse que nem o presidente nacional do PSB nem os demais prováveis candidatos Aécio Neves (PSDB) e Marina Silva (Rede) têm proposta para o país.
O ex-ministro voltou a fazer críticas ao comentar a situação econômica do país. "Eduardo Campos, Aécio Neves e Marina não têm nenhuma proposta, nenhuma visão. Isso é o que me preocupa", disse Ciro Gomes, completando que, por isso, a presidente Dilma Rousseff "pode ganhar por WO".
"O Eduardo não tem estrada ainda. Não conhece o Brasil. O Aécio não conhece o Brasil. A Marina Silva representa uma negação ética, uma negação desses maus costumes, mas não representa a afirmação de rigorosamente nada", disse Gomes.
As declarações feitas por Ciro causaram revolta entre os socialistas. Um assessor político de Eduardo Campos, que pediu para não ser identificado, disse à Folha que os irmãos Ciro e Cid Gomes, governador do Ceará, representam uma corrente minoritária e "marginal" na condução do partido e que se não estiverem mais dispostos a "se dobrar" à opinião do PSB, "só vai ter o caminho de sair".
Os irmãos Gomes são os principais opositores da candidatura de Campos à Presidência da República no ano que vem. Os dois ainda se ressentem do veto do PSB à candidatura de Ciro em 2010.
"O partido é democrático, as pessoas têm direito de fazer o debate. Esse debate vai ser travado no tempo certo e nas instâncias certas, que é quem decide", disse Campos nesta segunda-feira (25).

FOLHA

Nossos sentimentos pela partida de Frei Martins



Antônio José Martins, mais conhecido como Frei Martins faleceu ontem em decorrência de problemas renais. Frei Martins foi religioso capuchinho e teve grande participação na política partidária. Por várias vezes foi candidato pelo partido dos trabalhadores. Disputou a prefeitura de Mulungu e foi vereador nesse mesmo município. Na sua trajetória de padre, Frei Antônio José Martins, foi pároco da Paróquia Nossa Senhora das Graças no Bairro Pirambú em Fortaleza.   

Candidatos distorcem renda para garantir do programa Bolsa Família





Em Miracema do Tocantins (TO), numa enorme fila de espera para recadastramento do Bolsa Família, uma dona de casa diz à Folha, mesmo repreendida pelas colegas: "Parte da renda lá de casa eu não conto pra eles [funcionários da prefeitura]. Sem esse dinheirinho, a gente não conseguiria nem comer".
A dona de casa tem cartão do Bolsa Família e, como outros 13,8 milhões de famílias beneficiadas no país, teve de declarar a sua renda mensal para ter acesso ao programa.

As declarações de renda são registradas no Cadastro Único, banco de dados nacional das famílias de baixa renda utilizado por Dilma Rousseff para erradicar a miséria --uma das principais bandeiras da presidente para tentar sua reeleição em 2014.
O cadastro é coordenado pelo governo federal e abastecido pelos municípios.
Quem aparece nesse cadastro com renda mensal de até R$ 140 por pessoa tem direito ao Bolsa Família. Acima disso, fica fora do programa.
No Tocantins, essa dona de casa só conversou com a reportagem sob a condição de anonimato. Mas relatos de subnotificação de renda não são incomuns.


Adriano Vizoni/Folhapress
Fila para recadastramento do Bolsa Família em Miracema, Tocantins (TO), espera passava de duas horas
Fila para recadastramento do Bolsa Família em Miracema, Tocantins (TO), espera passava de duas horas




















Na fila, ela estava sentada ao lado da manicure Roseana Aquino, 34, que diz ter sido cortada do cadastro após declarar renda acima do limite. Agora ela tenta retomar o benefício. "É que o garoto [filho] está ficando cego de um dos olhos. Preciso de ajuda", diz.
Na última quarta (20), em Miracema do Tocantins, já passava das 14h e ninguém da prefeitura havia aparecido para atendê-los. A primeira da fila, Neusa Silva, 50, dez filhos (cinco deles atendidos pelos programas sociais), havia chegado às 10h. No mural de avisos, um papel apontava o início do expediente: 12h.
Na cidade, toda a operação de recadastramento das famílias pobres é acumulada pela coordenadora do Centro de Referência de Assistência Social, Meirevalda Santos.
Além de haver uma única funcionária para 1.800 beneficiários do Bolsa Família, não há os chamados entrevistadores, aqueles que deveriam fazer a fiscalização "in loco" das informações de renda prestadas pelas famílias, para comprovar a situação.
Naquele dia, faltaram até os formulários de preenchimento dos cadastros, documentos que seriam enviados pelo Ministério do Desenvolvimento Social, para revolta da turma na fila de espera.
Apesar da aparente fragilidade do sistema, não há evidência de fraudes generalizadas no Bolsa Família. O programa costuma ser elogiado por pesquisadores independentes e já passou por algumas avaliações internas.
Em 2012, a Controladoria Geral da União fez um levantamento para avaliar a efetiva aplicação dos recursos. Concluiu que apenas 2,4% das famílias ganham acima da renda declarada.
MESADA
Mesmo quando não há fraude, relatos sugerem como pode ser fácil burlar as regras do programa. Em Lajeado (TO), com pouco menos de 3.000 habitantes e cerca de 240 famílias beneficiadas, a operadora local do Cadastro Único, Deusirene de Souza, diz que já chegou a receber uma proposta de "mesada" de um candidato a beneficiário dos programas.
"Clamaram: 'Pelo amor de Deus, te dou até uma porcentagem do que eu ganhar'", afirmou. Deusirene recebe um salário mínimo pela função.
A aposentada Bernardina Oliveira, 59, diz que perdeu os benefícios "porque falou uma verdade de momento".
O filho, que é pai solteiro, estava trabalhando na hora do recadastramento. Mas ficou desempregado logo depois. "Para mim, é injusto."
Editoria de Arte/Folhapress

FOLHA.COM

SSPDS – Apreensão de jovens cresce 52% no Ceará



“Em um ano, a apreensão de adolescentes de 12 a 17 anos no Ceará aumentou 52,96%. Saltou de 3.557 registros em 2011 para 5.441 no ano passado, segundo estudo da Secretaria Estadual da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) feito por solicitação formal do O POVO. Detenções com reflexo direto no inchaço dos atos infracionais cometidos por eles. Os apreendidos acusados de estupro de vulnerável, por exemplo, cresceram 1.300% de um ano pro outro. Os que roubaram veículos, 102%. Os que mataram alguém, 89%. A única modalidade que recuou foi o roubo com restrição de liberdade da vítima. Caiu 8%. (ver quadro)
Mas os adolescentes também são vítimas da violência. E quase na mesma variação proporcional de percentagem em quem são autores dos crimes. Em 2011, foram 284 assassinatos de quem tinha entre 12 e 17 anos no Ceará. No ano seguinte, 437. Um pulo de 53,87% nos homicídios dolosos .
Para a coordenadora do Centro de Defesa da Criança e do Adolescente (Cedeca/Ceará), Nádja Furtado, a desigualdade social e a fragilidade da política de segurança pública levam ao recrudescimento da violência, seja ela praticada por jovens ou adultos. No tocante aos mais novos, entretanto, ela argumenta: “a falta de perspectiva é determinante para se cometer um ato (infracional). O adolescente não enxerga na escola um instrumento de mudança porque ela, muitas vezes, não oferece isso. Ele busca essa perspectiva noutras linguagens. Vai para a arte, a dança…”
A advogada defende reforço na política assistencial à família do jovem infrator, muitas vezes também fragilizada ou exposta ao perigo, e a garantia de aceso a serviços básicos (e constitucionais) para o adolescente não ser apreendido. “A gente não acredita que a política certa é a de ocupar o tempo dele. Deve haver uma política de afirmação de direitos. Ele precisa de educação, saúde…”
“Me parece que existe um esforço em prender e criminalizar os jovens, como se eles fossem o grande problema. Mas não vejo esforço de investigação pesada e criminalizar as grandes redes de tráfico de drogas e armas do Ceará”, acrescenta a assistente social e pesquisadora do Laboratório das Juventudes (Lajus/UFC), Mara Carneiro.  O POVO procurou o secretário da segurança, Francisco Bezerra, para uma análise do cenário da violência no âmbito da juventude. O POVOfoi informado pela assessoria da SSPDS de que ele não se pronunciaria. A assessoria sugeriu à reportagem que procurasse a titular da DCA, delegada Iolanda Fonseca.
O POVO também não conseguiu falar cm ela até o fechamento da matéria.”
(O POVO)

Bens do ex-prefeito de Coreaú são bloqueados pela Justiça


CIDADE DE COREAÚ


O juiz da comarca de Coreaú, Hyldon Master Cavalcante Costa, acatou decisão interlocutória aos processos 1106-88.2013.8.06.0069/0 e 1116-35.2013.8.06.069/0, contra o ex prefeito Carlos Roner Félix Albuquerque, decretando a indisponibilidade de bens e valores de sua propriedade até o valor de R$ 2.649.846,57.
 As ações aconteceram em virtude do ex-gestor não ter efetuado o pagamentos dos professores da rede municipal de ensino, referente aos meses de outubro, novembro e dezembro de 2012, além de 13º salários e grande débito perante o INSS totalizando R$ 2.562.763,92; e outros R$ 84.802,65, referentes ao convênio firmado com o Estado para instalação do programa Pró-Cidadania, e que, quando da última prestação de contas, deixou de fazê-lo, gerando sua reprovação pelo órgão de controle interno da Secretaria Estadual de Segurança Pública.
 O Cartório de Registro de Imóveis de Coreaú e o Detran, já foram oficiados da decisão do magistrado, assim como os órgãos de controle do Estado e do Município de Coreaú.

DO BLOG DO MACÁRIO

domingo, 24 de fevereiro de 2013

"É gente que vive chorando de barriga cheia..."


SETÚBAL AO FT: BRASIL "NÃO ESTÁ FUNCIONANDO"



Dono do Itaú faz crítica aberta ao governo Dilma, numa entrevista ao jornal inglês Financial Times; "o governo muda isso, o governo muda aquilo e o resultado é bastante incerteza", diz ele; jogando na retranca, Itaú Unibanco perdeu espaço no ano passado para concorrentes públicos, como Caixa e Banco do Brasil; no Planalto, ele é visto como um dos articuladores da campanha pela queda do ministro Guido Mantega...





Brasil-247

O banqueiro Roberto Setúbal, acionista e presidente do Itaú Unibanco, cada vez mais, assume seu papel de opositor ao governo Dilma. Na semana passada, quando Caixa Econômica Federal e Banco do Brasil divulgaram seus lucros, ficou claro que os bancos públicos, que jogaram na ofensiva, tomaram mercado de algumas instituições privadas, especialmente do Itaú, que preferiram atuar na retranca. E Setúbal tem demonstrado irritação cada vez maior com os rumos da política econômica – especialmente com a estratégia de redução dos juros.
Neste fim de semana, o jornal inglês Financial Times traz uma longa entrevista com o banqueiro brasileiro, em que ele critica abertamente o governo Dilma. "O governo muda os impostos, eles mudam isso, eles mudam aquilo e o resultado é muita incerteza", diz ele, num trecho da entrevista. "Eles precisam comunicar melhor o papel do governo versus o papel do setor privado. Não estão dando os incentivos corretos, nem os retornos adequados diante dos riscos oferecidos".
A crítica aberta reforça a visão daqueles que, no Planalto, apontam Setúbal como um dos responsáveis pela campanha recente pela queda do ministro da Fazenda, Guido Mantega. Uma campanha que começou pela revista britânica The Economist, passou pelo próprio Financial Times e chegou aos jornais brasileiros.
Na entrevista deste fim de semana ao FT, ele argumenta que os preços das commodities exportadas pelo Brasil chegaram ao topo, que o crédito também e que a estratégia atual de política econômica "claramente não está funcionando".

Ciro Gomes dispara mais uma vez


CIRO: "EDUARDO, AÉCIO E MARINA NÃO TÊM PROPOSTA"



O ex-ministro Ciro Gomes (PSB) soltou o verbo contra a antecipação eleitoral em andamento visando as eleições presidenciais de 2014. E a sua metralhadora giratória não poupou nem mesmo o correligionário e governador de Pernambuco, Eduardo Campos, que almeja disputar o Planalto no próximo ano. Para ele, Dilma Rousseff deverá ganhar a eleição no primeiro turno, e nem Eduardo, o senador Mineiro Aécio Neves (PSDB) ou Marina a ex-ministra Silva possuem alguma visão de futuro para o País. “Os pré-candidatos, Eduardo Campos, Aécio Neves e Marina Silva não têm nenhuma proposta, nenhuma visão para o Brasil. E isso é o que me preocupa”, declarou em entrevista à Rádio cearense Verdes Mares AM. 

Segundo ele, a grande preocupação no momento deveria ser com os rumos da economia. Nós estamos neste momento com o pé no acelerador o que significa um pouco de ameaça inflacionária, isso para tentar tirar o País da estagnação. Mas se a gente for conter a inflação do jeito que vinha fazendo, da mão para boca, ai volta a recessão. E essa equação tem que ser desfeita com um grande debate que só a política pode fazer”, disse. "Lamentavelmente não será o Governo que fará isso, porque  obviamente o Governo vai defender o que está fazendo. E os outros pré-candidatos, Eduardo Campos, Aécio Neves e Marina Silva não têm nenhuma proposta. Nenhuma visão para o Brasil. E isso é o que me preocupa", disparou. 

.Em sua avaliação, nenhum dos candidatos que estão com seus nomes colocados como candidatos ou pré-candidatos reúne as condições necessárias para se posicionar como tal. “Não é mais o PSDB favorito. O meu presidente Eduardo Campos não tem estrada ainda. Não conhece o Brasil. O Aécio Neves não conhece o Brasil. A Marina Silva representa uma negação ética, uma negação desses maus costumes, mas não representa a afirmação de rigorosamente nada", observou. 

A ex-verde também recebeu um quinhão extra de bordoadas em relação ao desenvolvimento futuro do País. “Ela não tem uma visão sequer de economia do País, da energia, de como que o País vai gerar energia", disse em referência aos tempos em que Marina era ministra do Meio Ambiente e recebia duras críticas pela morosidade na liberação de licenças para o setor energético. 

Ciro, que juntamente com seu irmão, o governador cearense Cid Gomes, defendem a reeleição de Dilma Rousseff, a despeito do desejo da maioria esmagadora do PSB, acredita que a petista pode vencer a corrida presidencial já no primeiro turno.  "Pode sim ganhar por WO. Embora essa fratura que se apresentam os três candidatos, provavelmente, com muita segurança, a eleição vai para um segundo turno. Mas a Dilma contra a Marina, a Dilma ganha folgado no segundo turno", afirmou. 

Apesar do apoio declarado á reeleição da presidente, ainda assim Ciro observa que Dilma terá muito o que explicar ao eleitorado. “Uma vez que a política brasileira está pasteurizada devido essa aliança PT e PMDB, que está sentada na fisiologia, por causa dessa gravíssima concessão que a presidenta Dilma foi obrigada a fazer, ou aceitou fazer, de colocar em linha de sucessão Michel Temer (vice-presidente), Renan Calheiros (presidente do Senado), Henrique Alves (presidente da Câmara) arrostando cem por cento da opinião pública esclarecida do Brasil, sinaliza um futuro de grande preocupação", disse.


 BRASIL 247