ABAS

segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

O que esperar de 2013?



O ano de 2012 chega ao fim, sem os acontecimentos apocalípticos previstos já há alguns anos. Isso não quer dizer que vivemos no melhor dos mundos possíveis, como queria o velho Pangloss. Mas o fato é que essas ondas milenaristas vão e vem, a cada época, e desnorteia a cabeça de muitos, que embarcam em toda espécie de especulações, bastante imaginativas. Agora mesmo, já roda pela Internet novas teses sobre o Anticristo, alguns dizendo que se trata do príncipe William (http://juizofinal.wordpress.com/2010/07/20/manifestacao-do-anticristo-por-que-a-possibilidade-de-ser-o-principe-william/), outros até de que o papa João Paulo II irá ressuscitar em breve, etc. No caso do príncipe William, que completou 30 anos em 2012, dizem que emergirá como liderança mundial a partir de 2013, cujo período de manifestação pública relevante será dos 30 aos 33 anos, em meio à grande crise global em curso. E por aí afora. Se dermos crédito a tudo isso, não fazemos mais nada. Por isso é bom que 2012 tenha acabado sem que as três principais previsões tenham sido concretizadas: 1) manifestação do Anticristo, em 15 de fevereiro; 2) início da 3ª Guerra Mundial com fuga do papa do Vaticano, a partir de 23 de maio; e 3) convulsão planetária em decorrência da queda de um meteorito, em 21 de dezembro. Ufa! É um punhado de coisas impactantes de assustar a muitos, mas transcorrido 2012, nada disso aconteceu como previram. Podemos então comemorar 2013.
De qualquer forma, cabe ressaltar, que o fato de tais acontecimentos não terem ocorrido com muitos previram, não significa que estamos no melhor dos mundos. É certa a instabilidade, a crescente violência, a desagregação familiar, os abusos no consumo, os desperdícios, a corrupção política e as guerras, e muito mais. O recente atentado numa escola norte-americana volta a tona o debate sobre a violência juvenil. A tensão no Oriente Médio, de modo especial na Síria e em Israel, deixa todos apreensivos. Tudo isso nos leva a refletir sobre o sentido da vida e nos torna mais vigilantes. Há muito o que fazer para se alcançar um mundo mais de acordo com os princípios da justiça e da paz, mas o que podemos fazer em meio a tantas ameaças? Temos que ser humildes e fazer a nossa parte, em nosso cotidiano, com a realidade a nossa volta, com os que estão perto de nós. É por aí que começamos a transformar o mundo. Mais do que isso, o que podemos fazer? Mais do que isso é incorrer nestes desvarios de fim do mundo e nas patologias e excessos que, vira e mexe, aparecem a cada época. Daí que esperamos para 2013 um tempo de humildade, de pé no chão de trabalhar com a realidade, de sermos mais cuidados com as pequenas coisas do dia-a-dia, porque podemos mesmo muito pouco. Mas o pouco que fazemos, se for bem feito, já é muito.
Cabe lembrar que teremos no Brasil, um grande acontecimento em 2013: a nova visita do papa Bento XVI, para a Jornada Mundial da Juventude. Aproveitemos então a graça deste acontecimento para, com a mensagem do papa, vivermos melhor o sentido de Deus e o sentido da vida, em cada momento de 2013. Feliz Ano Novo para todos! 
(Texto de Valmor Bolan, doutor em Sociologia e presidente da Cona-MEC
http://www.dm.com.br

Nenhum comentário: