ABAS

terça-feira, 30 de outubro de 2012

Dilma chama Eduardo Campos para conversar



Eduardo Campos, o emergente, tornou-se um político monotemático. Todos os encontros do presidente do PSB com os microfones resvalam em 2014 . Enquanto se aparelha, o enigma de Pernambuco foge da decifração: “Para o Brasil, quanto mais a gente deixar 2014 para 2014 será melhor. O Brasil estando bem em 2014 é melhor para todos que fazem política.”
Eduardo conversava com os repórteres quando foi informado sobre um telefonema de Brasília. Era Dilma Rousseff, ele contaria depois. A presidente convidou-o para uma conversa em Brasília. Quando? Nos próximos dias. Para quê? “Ela pediu para eu ser muito discreto com vocês”, o emergente desconversou.
Eduardo disse que seu partido continua no condomínio partidário que dá suporte congressual a Dilma. Em São Paulo, a despeito de ter apoiado Fernando Haddad, o PSB não cogita retirar-se da base política do governo tucano de Geraldo Alckmin.
Disseram ao governador que petistas queixaram-se do corpo mole do PSB na campanha de São Paulo. E ele: “Prefiro ficar com a palavra do Haddad, de agradecimento. Também conversei no sábado com o presidente Lula, que ressaltou a importância do nosso apoio.”
Eduardo acrescentou: “Uma relação de tantos anos, de momentos bonitos, de momentos duros, não vai ficar ao sabor do disse-me-disse. Lula e eu temos maturidade para colocar cada coisa em seu lugar.” Como se vê, o governador pode ser acusado de muita coisa, menos de não ser jeitoso.
JOSIAS DE SOUZA

Nenhum comentário: