ABAS

sábado, 29 de setembro de 2012

PORQUE O LULA SAIU DA CASCA













Por Carlos Chagas

Importa saber o motivo que levou o Lula  a   sair da casca e avançar declarações públicas sobre o mensalão, coisa que não fazia desde o início do julgamento pelo Supremo Tribunal  Federal. Até então o primeiro companheiro simplesmente negava a existência do escândalo da compra de votos, afirmando ter-se tratado de distribuição de dinheiro para pagamento de dívidas de campanha, por conta do caixa  dois.

Na noite de quinta-feira, numa universidade paulista,  abriu o jogo. Disse que em seu governo foram criados mais instrumentos para combater a corrupção do que nos mandatos de todos os presidentes da República que o antecederam. Nas administrações petistas, acentuou, os acusados são julgados, ao contrário do governo dos tucanos, quando a prática era esconder tudo.

Demonstrando irritação, foi mais adiante, denunciando a compra de votos no Congresso por Fernando Henrique Cardoso, para aprovar a emenda da reeleição.

Por que essa mudança de estratégia? Só pode ser em função das eleições para a prefeitura de São Paulo e a possibilidade de Fernando Haddad não chegar ao segundo turno.  O ex-presidente decidiu jogar todos os cacifes na rodada de fogo que se estenderá até o dia 7 de outubro. Aumentou e mais aumentará o diapasão de suas críticas ao adversário mais próximo, no caso, José Serra. Pelo jeito, deixará Celso Russomano para o segundo turno, se seu candidato chegar lá.

Parece óbvio que o julgamento do mensalão  é uma das causas de Haddad não ter decolado como o PT e seu mestre imaginavam. Ainda que não se conheçam resultados de pesquisas feitas a respeito, não se duvida de que a exposição e a condenação de companheiros pela mais alta corte nacional de justiça vem funcionando como um escoadouro de votos.  Não há, em São Paulo, quem desconheça ou se mantenha alheio à Ação Penal 470. Em especial quando na semana que antecede a eleição estarão sendo arcabuzados José Dirceu, José Genoíno e Delúbio Soares. Para o PT, agora vale tudo.

Nenhum comentário: